Europa, lua de Júpiter, pode ter vulcões subaquáticos e traz esperança de vida

Europa poderia hospedar um imenso oceano entre sua crosta gelada e seu interior rochoso e ter calor suficiente para alimentar vulcões

de Redação Jornal Ciência 0

Uma das luas de Júpiter, Europa, poderia ter tido atividade vulcânica em seu leito marinho e pode estar mantendo tal característica atualmente, de acordo com uma simulação de computador e levantada nas conclusões de um estudo recente.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Na tentativa de esclarecer a questão e estudar a lua Europa de perto, a NASA planeja enviar uma missão especial para lá em 2024. O estudo, publicado na revista Geophysical Research Letters, oferece “fortes evidências” de que Europa abriga um enorme oceano entre sua crosta gelada e no interior rochoso.

O estudo ainda sugere que pode existir calor suficiente para derreter o manto rochoso, um processo que, por sua vez, poderia alimentar vulcões subaquáticos.

Visão artística que teríamos de Júpiter se estivéssemos observando a partir de Europa. Foto: Reprodução / Shutterstock

Os cientistas argumentam que esses vulcões têm mais probabilidade de se formar ao redor dos polos da lua de Júpiter, já que mais calor é gerado nessas latitudes.

Também se presume que a atividade vulcânica pode ter evoluído ao longo do tempo e que fontes de energia, como o calor geotérmico de longa duração, seriam capazes de iniciar o desenvolvimento de formas de vida em potencial.

“Nossas descobertas fornecem evidências adicionais de que o oceano subterrâneo de Europa pode ser um ambiente adequado para o surgimento de vida”, disse a principal autora do estudo, Marie Behounkova, da República Tcheca, PhD em geofísica.

“Europa é um dos raros corpos planetários que poderia ter mantido atividade vulcânica ao longo de bilhões de anos, e possivelmente o único fora da Terra que possui grandes reservatórios de água e uma fonte de energia de longa duração”, acrescentou a pesquisadora.

Fonte(s): RT Imagens: Reprodução / NASA

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência