Zuckerberg quer transformar Facebook em um “metaverso”: mundo virtual para trabalho e diversão

A empresa do magnata se esforçará para construir um conjunto maximalista e interconectado de experiências semelhantes à ficção científica

de Redação Jornal Ciência 0

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou que nos próximos cinco anos pretende transformar sua rede social em um metaverso, um mundo virtual onde os usuários podem se divertir ou trabalhar juntos, “pessoalmente”, sem sair de casa.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Em entrevista concedida ao site The Verge, Zuckerberg disse que sua empresa irá muito além do simples desenvolvimento de aplicativos sociais e suporte a “hardware”, e se esforçará para construir um conjunto maximalista e interconectado de experiências semelhantes às da ficção científica.

O termo “metaverso” refere-se à convergência da realidade física, virtual e aumentada em um espaço compartilhado.

De acordo com o magnata, essa tecnologia proporcionará grandes oportunidades para criadores de conteúdo e artistas; para pessoas que desejam trabalhar longe dos centros urbanos e para as que residem em locais onde as oportunidades educacionais ou de entretenimento são limitadas.

“Um metaverso pode ser a coisa mais próxima de um dispositivo de teletransporte”, comentou.

“O metaverso é uma visão que abrange muitas empresas, toda a indústria de tecnologia. Você pode pensar nele como o sucessor da Internet móvel”, disse Zuckerberg.

No entanto, ele enfatiza que esta tecnologia não seria construída por uma única empresa, o Facebook contribuindo para o seu desenvolvimento em colaboração com “muitas outras” empresas e desenvolvedores.

“Você pode pensar no metaverso como uma Internet incorporada, onde, em vez de apenas ver o conteúdo, você está nele. E você se sente presente em outros lugares além de onde está fisicamente, com outras pessoas, vivenciando experiências que pode não necessariamente ter em um aplicativo 2D ou página da web, como dança”, explicou ele.

Ele também indicou que o metaverso não será um análogo da realidade virtual, que será uma parte importante desta nova tecnologia.

“O metaverso não é apenas realidade virtual. Ele estará acessível em todas as nossas plataformas de computação, tanto virtuais quanto realidade aumentada, bem como computadores, dispositivos móveis e consoles de jogos”, concluiu Zuckerberg. 

Fonte(s): RT / The Verge Imagens: Reprodução / Frederic Legrand – COMEO / Shutterstock.com

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência