Bill Gates diz saber quando o mundo poderá voltar “completamente ao normal”

O bilionário estimou que, assim que os países desenvolvidos atingirem altos níveis de imunização contra a Covid-19, haverá maior disponibilidade de vacinas para as nações em desenvolvimento.

de Redação Jornal Ciência 0

Neste último domingo, 25, o bilionário e fundador da Microsoft, Bill Gates, estimou em entrevista à Sky News, que o mundo poderia “voltar completamente ao normal” até o final de 2022, assim que a vacina contra o coronavírus estiver disponível em todo o mundo.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Durante sua participação, Gates diz acreditar que muito em breve, países desenvolvidos como o Reino Unido ou os Estados Unidos imunizarão grande parte de sua população, o que permitirá que eles forneçam vacinas para os países em desenvolvimento em larga escala.

“Alguns dos países ricos vão atingir altos níveis de vacinação e isso vai lançar vacinas para todo o mundo no final de 2021. Portanto, não teremos erradicado essa doença, mas seremos capazes de reduzi-la para números muito pequenos até o final de 2022”, disse o bilionário.

Da mesma forma, o empresário considerou que “não é justo” que Reino Unido e Estados Unidos já estejam começando a vacinar a população de 30 anos, enquanto países como África do Sul e Brasil ainda não conseguiram imunizar todas as pessoas com idade de 60 anos, por exemplo.

No entanto, destacou que “daqui a três ou quatro meses” a atenção de “países que têm uma epidemia muito grave” passará a ser uma prioridade.

Até o momento, de acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins, mais de 147 milhões de casos de Covid-19 foram registrados em todo o mundo, sendo os Estados Unidos o país mais afetado ultrapassando os 32 milhões de casos.

Em segundo lugar está a Índia com mais de 17 milhões de contaminados e em terceiro o Brasil com quase 15 milhões de infecções. O número de mortos em todo o mundo provocados pela pandemia ultrapassa os 3,1 milhões.

Fonte(s): RT Imagens: Reprodução / Frederic Legrand – COMEO / Shutterstock.com

Jornal Ciência