Covid-19 pode envelhecer o cérebro em 20 anos e reduzir inteligência em 10 pontos, diz estudo

As descobertas preocupam cientistas sobre como será o pós-pandemia sobre as lesões e danos à saúde provocados pelo vírus

de Redação Jornal Ciência 0

Está provado que pessoas internadas no hospital, vítimas da Covid-19, podem sofrer danos cerebrais que duram mais de 6 meses — e pesquisas continuam para entender os danos que recuperados da doença podem enfrentar.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

As pessoas que passaram pelo vírus podem ter dificuldade para encontrar as palavras certas, levar mais tempo para processar informações ou ter um período de atenção mais curto.

As vacinas ainda são a melhor maneira de proteger os as pessoas dos casos graves — o que ajudou a impedir que tivéssemos uma multidão de pessoas com casos avançados e, posteriormente, danos causados pelo coronavírus que a ciência ainda está aprendendo quais são.

A Universidade de Cambridge, em estudo na Inglaterra com 40.000 pacientes que ficaram internados na UTI com casos graves, durante os picos da pandemia, relatou achados preocupantes.

Dos 40.000, cientistas escolheram 46 ingleses que passaram pela Covid-19 em 2020. A pesquisa descobriu que eles tiveram pontuação pior do que o esperado em testes cerebrais, em comparação com as pontuações habituais médias de 66.000 pessoas.

“Acompanhamos alguns pacientes até 10 meses após a infecção aguda, então pudemos ver uma melhora muito lenta. Mas, é muito possível que alguns desses indivíduos nunca se recuperem totalmente”, disse o médico anestesiologista e especialista em cérebro, professor Dr. David Menon, em entrevista ao jornal The Sun.

O professor Dr. Menon explicou que a Covid-19 grave pode privar o cérebro de sangue e oxigênio, causando danos. Ele ressalta que a própria reação imunológica do corpo ao coronavírus também pode causar estragos nas células nervosas.

Os efeitos dos danos são aproximadamente iguais a perder 10 pontos em um teste de QI — sendo o QI médio de 100.

Isso é semelhante à queda normal no poder do cérebro que as pessoas têm entre 50 e 70 anos, disseram os pesquisadores na publicação da revista eClinicalMedicine, dentro da plataforma da The Lancet.

É como se o cérebro envelhecesse 20 anos rapidamente e começasse apresentar sinais naturais de queda cognitiva.

“Cerca de 40.000 pessoas passaram por terapia intensiva com Covid-19, somente na Inglaterra. Muitos outros ficaram muito doentes, mas não foram internadas em hospital. Isso significa que há grande número de pessoas por aí ainda enfrentando problemas de cognição há meses”, disse o professor Adam Hampshire, um dos autores do estudo, do Imperial College London.

Em outro estudo recente, da Universidade de Tulane, nos EUA, mostrou um grave inchaço cerebral e lesões ligadas à redução do fluxo sanguíneo ou de oxigênio para o cérebro — o que pode estar ligado ao envelhecimento cerebral e diminuição na cognição.

O pesquisador e professor, Dr. David Menon, ressaltou que mais pesquisas são necessárias ao redor do mundo para entender o mecanismo de ação no cérebro em pacientes que tiveram a doença em estágio grave para confirmar a ligação direta com a diminuição na inteligência.  

Até o momento, a ciência já sabe que mesmo os casos leves de Covid-19 podem causar danos cerebrais persistentes e novas pesquisas são necessárias para entender a extensão das consequências futuras.  

Fonte(s): The Sun / ABC News Imagens: Reprodução / Medscape

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência