Aspirina reduz casos graves e morte em pacientes com Covid-19, diz estudo

Os cientistas asseguraram que esse medicamento de fácil acesso e baixo custo reduziu a possibilidade de ser internado na UTI, gerando menos doenças graves e morte

de Redação Jornal Ciência 0

No caminho para buscar medicamentos seguros e eficazes para tratar pacientes com Covid-19, a medicina vem estudando e buscando por medicamentos que já existem que possam nos ajudar a enfrentar a luta contra o novo coronavírus.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

É o caso, por exemplo, da dexametasona, corticoide usado para tratar artrite, doenças de pele, alergias graves e asma, mas também demonstrou ser eficaz para ajudar a diminuir a inflamação causada nos casos graves de Covid-19.

O ibuprofeno também foi pesquisado e, após ser questionado no início da emergência de saúde mundial, mostrou em evidências científicas na revista The Lancet ser um anti-inflamatório diferente da classe dos corticoides que podia ser usado de forma benéfica para tratar os infectados.

Agora, de acordo com uma nova pesquisa da George Washington University, a aspirina (nome comercial da substância ácido acetilsalicílico), teria o poder de ajudar a proteger os pulmões de pacientes com Covid-19 e diminuir a necessidade de uso de respirador mecânico. Os cientistas publicaram o estudo na plataforma PubMed

Uma equipe de cientistas investigou mais de 400 pacientes com Covid-19 de hospitais nos Estados Unidos que tomavam aspirina por outras doenças e descobriu que o uso da aspirina reduziu os riscos de vários parâmetros pela metade: 43% menos chances de ser internado na UTI, 44% menos chances de necessitar de respirador e 47% menos chances de mortalidade hospitalar em geral.

“Conforme aprendemos sobre a conexão entre coágulos sanguíneos e a Covid-19, sabíamos que a aspirina, que é usada para prevenir derrames e ataques cardíacos, poderia ser importante para pacientes com Covid-19”, explicou o Dr. Jonathan Chow, um dos membros da equipe do estudo, que acrescentou: “Nossa pesquisa encontrou uma associação entre aspirina em baixas doses e diminuição da gravidade do Covid-19 e morte”.

Entre as conclusões publicadas do trabalho, os pesquisadores observaram que “o uso de aspirina pode estar associado a melhores resultados em pacientes hospitalizados com Covid-19”.

“No entanto, um ensaio clínico randomizado e controlado com potência suficiente é necessário para avaliar se há uma relação causal entre o uso de aspirina e a redução da lesão pulmonar e da mortalidade em pacientes com Covid-19”, disseram eles.

A aspirina em baixas doses é um tratamento comum para pessoas que tenham problemas de coagulação do sangue ou que estejam em risco de sofrer um derrame, incluindo a maioria das pessoas que tiveram um ataque cardíaco ou infarto do miocárdio.

Embora afete o sistema respiratório, a infecção pelo vírus SARS-CoV-2 tem sido associada à coagulação de pequenos vasos sanguíneos, causando minúsculos bloqueios no sistema circulatório do pulmonar, o que pode causar a Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo.

Pesquisadores israelenses alcançaram resultados semelhantes em um teste preliminar no Barzilai Medical Center, em março. Além de seu efeito sobre os coágulos sanguíneos, eles descobriram que a aspirina tinha benefícios imunológicos e que o grupo que a tomava tinha 29% menos probabilidade de estar infectado com o vírus.

“A aspirina é barata, facilmente acessível e milhões já a usam para tratar seus problemas de saúde. Encontrar esta associação é uma grande vitória para aqueles que procuram reduzir o risco de alguns dos efeitos mais devastadores da Covid”, falou o Dr. Chow.

Fonte(s): Infobae Imagens: Reprodução / Pixabay

Jornal Ciência