Pessoas retiram à força filhotes de urso de árvore apenas para tirar selfies e postar nas redes sociais

de OTTO HESENDORFF 0

Um grupo de pessoas na Carolina do Norte, nos EUA, colocou em risco dois filhotes de urso preto ao tentar tirar selfies com os animais selvagens para postar nas redes sociais.

O incidente, ocorrido em 18 de abril, foi filmado por uma testemunha e rapidamente se tornou viral. O vídeo mostra o grupo de seis pessoas retirando os filhotes de uma árvore e segurando-os de maneira brusca para fotografar.

De acordo com a Agência de Vida Selvagem da Carolina do Norte (NC Wildlife), os filhotes resistiram e um deles chegou a morder uma das mulheres que o segurava à força.

Após a divulgação do vídeo, a NC Wildlife foi acionada para ajudar a identificar as pessoas envolvidas. Os agentes encontraram apenas um dos filhotes, que foi levado para um centro de reabilitação; o outro ainda não foi localizado.

Ashley Hobbs, coordenadora da agência, relatou: “O filhote parecia letárgico e assustado, mancando de uma pata dianteira, e estava molhado e tremendo. As ações imprudentes desse grupo colocaram em risco a vida dos filhotes.”

Colleen Olfenbuttel, supervisora da NC Wildlife, explicou que nesta época do ano as ursas estão saindo das tocas com seus filhotes, que estão explorando o mundo exterior pela primeira vez e dependem extremamente de suas mães para alimentação e proteção.

Tentativas de capturar ou manipular um filhote não apenas colocam o animal em risco, mas também podem ser perigosas para os humanos, especialmente se a mãe ursa estiver por perto e tentar defender seus filhotes, podendo se tornar altamente agressiva.

O filhote resgatado permanecerá no centro de reabilitação até que esteja pronto para ser solto na natureza. A agência informou que o incidente ainda está sob investigação e que as imagens do vídeo serão utilizadas para identificar e punir os responsáveis, visto que tal atitude constitui um crime.

©Todos os direitos reservados. Proibida a cópia e reprodução sem autorização da PLUG Network.

Fonte(s): IFLScience Imagem de Capa: Reprodução / Redes Sociais

Jornal Ciência