Manuscritos do Mar Morto: inteligência artificial revela um dos grandes mistérios por trás do famoso pergaminho

Ferramentas avançadas permitiram aos cientistas mostrar que o Grande Pergaminho de Isaías foi escrito por dois escribas diferentes.

de Thuany Motta 0

Pesquisadores da Universidade de Groningen, na Holanda, usaram inteligência artificial para conduzir uma análise mais rigorosa do trabalho dos escribas por trás da criação dos Manuscritos do Mar Morto.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Esses textos religiosos, também conhecidos como Manuscritos de Qumran, são uma coleção de milhares de fragmentos de mais de 900 manuscritos de dois milênios atrás, incluindo cópias de textos da Bíblia Hebraica, que foram descobertos em meados do século XX.

Muito pouco se sabe sobre seus autores, pois as obras não foram assinadas. Em sua análise, os pesquisadores se concentraram em um único documento: o Grande Pergaminho de Isaías, que é o maior e mais bem preservado dos textos bíblicos. A escrita do documento parece quase uniforme, embora tenha sido sugerido que foi feito por dois escribas que compartilhavam um estilo de escrita semelhante.

Foto do Grande Manuscrito de Isaías, o mais bem preservado dos manuscritos bíblicos encontrados em Qumran. Foto: Reprodução / Museu de Israel

Os cientistas treinaram uma inteligência artificial para isolar e comparar todas as instâncias de personagens individuais de textos antigos, levando à conclusão de que a obra havia sido escrita por duas mãos diferentes, cada uma responsável pela metade.

Embora seja difícil para os pesquisadores comparar rapidamente as milhares de letras no manuscrito, a inteligência artificial pode analisar conjuntos de dados de tal amplitude e, no caso da análise de caligrafia, é capaz de levar em consideração tanto os caracteres em seu conjunto quanto recursos menores, como as curvaturas individuais de cada personagem.

“Neste estudo, encontramos evidências de um estilo de escrita muito semelhante, compartilhado pelos dois escribas do Grande Rolo de Isaías, sugerindo uma formação ou origem comum”, disseram os pesquisadores em seu estudo, publicado na revista científica PLOS ONE.

“Isso é muito empolgante, porque abre uma nova janela para o mundo antigo que pode revelar conexões muito mais intrincadas entre os escribas que produziram os manuscritos”, afirmou o autor do estudo, Mladen Popovic.

“Agora podemos identificar diferentes escribas. Nunca saberemos seus nomes. Mas, após 70 anos de estudo, parece que podemos finalmente apertar a mão deles por meio de sua carta”, disse.

Os Manuscritos do Mar Morto contêm os fundamentos do Antigo Testamento. A maioria desses fragmentos está em exibição em Jerusalém, mas muitos outros estão nas mãos de colecionadores ou do mercado negro.

A maioria deles foi escrita em um material feito de pele de animal, descrito como um híbrido de pergaminho e couro que incluiu quatro etapas: enceramento, desbaste (tornar menos espesso), secagem por tensão e acabamento.

Fonte(s): RT Imagens: Reprodução / Alefbet / Shutterstock

Jornal Ciência