Descoberta espada submersa há 900 anos que esconde passado violento das Cruzadas

Um mergulhador amador descobriu a espada que pertenceu a um cavaleiro das Cruzadas de quase um milênio escondida em águas rasas do Mar Mediterrâneo

de Redação Jornal Ciência 0

Shlomi Katzin, um mergulhador amador que explora as águas rasas do Mar Mediterrâneo no norte de Israel, encontrou uma espada que pertenceu a um cavaleiro das Cruzadas, há mais de 900 anos.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Conforme relatado pela Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) em um comunicado à imprensa, a lâmina de um metro de comprimento estava incrustada com vários organismos marinhos quando foi descoberta na costa da cidade de Haifa. Os especialistas da agência estatal acreditam que a espada ressurgiu do fundo do oceano após o deslocamento das areias.

Kobi Sharvit mostrou que a lâmina de um metro de comprimento está incrustada com vários organismos marinhos ao longo dos séculos em que esteve submersa. Foto: Reprodução /
Autoridade de Antiguidades de Israel

Kobi Sharvit, chefe da Unidade de Arqueologia Marinha do IAA, disse que o local onde o mergulhador amador encontrou a arma servia de abrigo para navios durante tempestades ao longo dos séculos de atividade náutica na região.

“Essas condições atraíram navios mercantes ao longo do tempo, deixando para trás ricos achados arqueológicos”, disse o especialista israelense em entrevista a 13News.

Embora ainda tenha organismos marinhos embutidos, Sharvit disse que a lâmina, o punho e um metro de comprimento da espada eram características suficientes para reconhecê-la como pertencente a um cavaleiro das Cruzadas.

O arqueólogo indicou que a arma será exposta ao público assim que for limpa e analisada.

“A espada é pesada por causa das pedras presas a ela e porque é muito grande e feita de ferro. Isso significa que o portador, que participou das Cruzadas e que empunhava essa espada para lutar com ela, era muito forte. Tento imaginá-lo no campo de batalha com toda a sua armadura, a espada e lutando com ela. Ele deve estar realmente em boa forma e talvez ele fosse maior do que nós hoje, mas ele era definitivamente muito mais forte. Essa descoberta é incrível”, disse Sharvit.

O mergulhador explicou que recuperou a espada do fundo do mar com medo de que fosse roubada ou enterrada novamente. Foto: Reprodução / Autoridade de Antiguidades de Israel

As Cruzadas foram uma série de guerras religiosas impulsionadas pela Igreja Católica que começaram em 1095 durante a Idade Média.

Essas campanhas militares tinham o objetivo declarado de recuperar para o cristianismo a região do Oriente Médio conhecida como Terra Santa, que estava sob o domínio do Islã desde o século VII.

Além disso, Sharvit revelou que o mergulhador amador explorando as águas rasas do Mar Mediterrâneo encontrou outras relíquias nas proximidades da espada, como âncoras de metal e pedra, e vários fragmentos de cerâmica.

Katzin explicou que recuperou a espada do fundo do mar por medo de que ela fosse roubada ou enterrada novamente e, como a lei israelense exige que qualquer vestígio encontrado seja devolvido à nação, após fazer sua descoberta ele entregou a arma para autoridades.

Em troca, o mergulhador amador recebeu um certificado de agradecimento por “boa cidadania”.

Fonte(s): La Nacion Imagens: Reprodução / Shlomi katzin

Jornal Ciência