Vídeo: raro fenômeno meteorológico causou pânico ao ser confundido com OVNI

de Julia Moretto 0

Algumas pessoas pensaram que uma bola de luz brilhante deslizando sobre um campo siberiano, na Rússia, era um OVNI. Apesar de ter causado pânico na população, cientistas russos analisaram as filmagens e acreditam que o ocorrido seja um “raio de bola”. Geralmente associado a trovoadas, esse tipo de relâmpago dura muito mais tempo do que o comum.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O fenômeno foi registrado por diversas pessoas. Um homem que conseguiu acompanhar o ocorrido disse nunca ter visto nada parecido e que ficou muito assustado com a cena. Ele também contou que se equilibrou em alguns tijolos para poder ter uma visão melhor do acontecimento.  

O fenômeno elétrico atmosférico ainda não foi totalmente compreendido pelos cientistas. Segundo pesquisas, o raio pode aparecer durante trovoadas em forma de um brilho, que vai desde o tamanho de uma bola de golfe até metros de diâmetro. Há uma série de relatórios dizendo que esses brilhos feriram ou mataram pessoas, além de atingirem construções.

Em uma carta ao Daily Mail em 1936, por exemplo, um leitor disse ter visto uma grande bola vermelha no céu. “Ela atingiu nossa casa, cortou os fios de telefone e queimou a moldura da janela”, conta o leitor.

Até a década de 1960 não se acreditava na existência do fenômeno. Em agosto de 2013, pesquisadores da Academia da Força Aérea em Colorado, nos Estados Unidos, registraram bolas brancas brilhantes de plasma em seu laboratório. As bolas foram geradas a partir de faíscas elétricas de alta potência lançadas por eletrodos parcialmente submersos em soluções eletrolíticas.

Entretanto, os pesquisadores não podiam afirmar que tinham reproduzido o evento. Portanto, eles se referiam ao fenômeno como “bola-relâmpago”. Os cientistas também descobriram que os elementos encontrados no solo do local – silício, ferro e cálcio – estavam presentes no raio.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência