Animal microscópico “volta à vida” após 24.000 anos congelado na Sibéria

O animal microscópico invertebrado e assexuado foi descongelado por cientistas russos e conseguiu até mesmo se reproduzir em laboratório

de Redação Jornal Ciência 0

Poucas pessoas sabem da existência dos rotíferos bdeloídeos — um tipo de animal microscópico que possui uma notável e impressionante capacidade de sobreviver em temperaturas absurdamente baixas.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Estudos anteriores haviam demonstrado que rotíferos bdeloídeos, que são animais de água doce, congelados em temperaturas entre –20ºC e 0ºC, conseguiram sobreviver.

Nestes estudos, eles sobreviveram por até 10 anos. Evidentemente, percebe-se agora que a ciência não avançou o suficiente no estudo destes animais e eles escondiam “segredos” muito mais interessantes.

A ciência já conhece animais microscópicos que possuem impressionantes “poderes” de suportar congelamentos extremos, radioatividade e as mais diversas condições que nós, humanos, jamais conseguiríamos suportar, como é o caso dos tardígrados já fizemos uma reportagem especial sobre eles que você pode conferir clicando aqui.

Neste caso, cientistas encontraram o antigo rotífero bdeloídeo congelado no permafrost da Sibéria — uma região onde até mesmo o solo encontra-se congelado, pelas baixíssimas temperaturas, sendo possível encontrar animais diversos, como os gigantes mamutes em excelente estado de conservação, vermes, plantas, sementes e uma infinidade de seres microscópicos, como bactérias, que possivelmente são totalmente desconhecidas pela ciência.

A pesquisa afirma que este animal microscópico “voltou à vida” após permanecer 24.000 anos congelado. Após fazerem uma perfuração no permafrost, e usarem análise de datação com radiocarbono, os cientistas puderam afirmar a idade do rotífero, transformando-se em uma das maiores descobertas da microbiologia das últimas décadas.

“Nosso relatório é a prova mais concreta até o momento de que animais multicelulares podem suportar dezenas de milhares de anos em criptobiose, o estado de metabolismo quase completamente interrompido”, disse Stas Malavin, coautor do estudo e pesquisador do Laboratório de Criologia do Solo no Centro Científico Pushchino de Pesquisa Biológica, na Rússia.

O estado de criptobiose é um tipo de “estado latente”, onde alguns seres vivos conseguem “apertar o botão de pausa” quando encontram situações extremamente e adversas, como frio, por exemplo. O metabolismo é paralisado até que o meio ao seu redor demonstre condições de normalidade.

Inacreditavelmente, foi exatamente o que ocorreu com o rotífero da amostra. Ao perceber que estava em condições “normais” ao ser descongelado em laboratório, ele comportou-se de forma ativa e começou a se reproduzir se forma assexuada — processo conhecido como partenogênese.

Esta equipe de cientistas é especialista em estudar organismos congelados do permafrost para extrair amostras com máximo cuidado, impedindo contaminação externa. Os pesquisadores desconfiaram da possibilidade do rotífero ter 24.000 anos e permitiram que análises independentes fossem feitas com radiocarbono para confirmar a idade.

Os cientistas não sabem explicar como estes seres vivos conseguem proteger suas células e seus órgãos dos cristais de gelo durante o processo de congelamento. Na verdade, estes animais deveriam ser completamente dilacerados, mas não são.

“A conclusão é que um organismo multicelular pode ser congelado e armazenado por milhares de anos e depois voltar à vida — um sonho para muitos escritores de ficção. É claro que quanto mais complexo for o organismo, mais difícil é preservá-lo vivo congelado e, para os mamíferos, isso não é possível atualmente. No entanto, passar de um organismo unicelular para um organismo que possui intestino e até cérebro, embora sejam microscópicos, é um grande avanço”, disse Malavin.

Quando a ciência for capaz de compreender os mecanismos de proteção dos rotíferos, poderíamos nos beneficiar com o conhecimento sobre as melhores formas de congelar tecidos e órgãos de animais, incluindo dos humanos.

O estudo foi publicado na revista científica Current Biology.

Fonte(s): IFLScience Imagens: Reprodução  / Michael Plewka

Jornal Ciência