O que são as bombas termobáricas que “vaporizam corpos humanos” e que a Rússia usou na Ucrânia

Causam explosões de alta temperatura e são capazes de “vaporizar corpos humanos”; seu uso é proibido pelo direito internacional

de Redação Jornal Ciência 0

O Tribunal Penal Internacional investigou há uma semana uma denúncia da Ucrânia contra a Rússia pelo uso de bombas de vácuo no âmbito da invasão que o governo de Vladimir Putin iniciou no país.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

São armas devastadoras que causam explosões a altas temperaturas e são capazes de “evaporar corpos humanos”, razão pela qual são proibidas pelo direito internacional.

Hoje, o Ministério da Defesa Russo confirmou o uso do sistema de armas TOS-1A na Ucrânia, que aproveita o poder de foguetes termobáricos, informou o Ministério da Defesa britânico no Twitter. “Eles criam efeitos incendiários e de explosão”, acrescentou.

A bomba termobárica ou bomba de vácuo que a Rússia usou contra a Ucrânia.

No início da semana passada, Oksana Markarova, embaixadora da Ucrânia nos Estados Unidos, disse a repórteres após reunião com membros do Congresso dos EUA que a Rússia havia usado uma arma termobárica, conhecida como bomba a vácuo, na invasão de seu país, embora sem especificar as circunstâncias.

O uso desse tipo de explosivo foi denunciado por organizações de direitos humanos como Anistia Internacional e Human Rights Watch, que também alertaram para o possível lançamento de munições cluster amplamente proibidas.

O que são bombas de vácuo ou termobáricas?

Conforme descrito pela agência Reuters, uma bomba de vácuo ou termobárica é uma arma capaz de absorver oxigênio do ar circundante para gerar uma explosão de alta temperatura, que normalmente produz uma onda de choque que dura significativamente mais do que a de um explosivo convencional e é capaz de “vaporizar de corpos humanos”.

A bomba de vácuo consiste em um recipiente de combustível com duas cargas explosivas separadas que podem ser lançadas como um foguete ou como uma bomba de uma aeronave.

A bomba pode ser lançada de um avião ou como um foguete.

Ao atingir o alvo, a primeira carga explosiva abre o recipiente e dispersa amplamente a mistura de combustível em forma de nuvem, que pode penetrar em qualquer abertura ou defesa de um edifício que não esteja completamente vedado.

Uma segunda carga então detona a nuvem, resultando em uma enorme bola de fogo, uma enorme onda de choque e um vácuo que suga todo o oxigênio ao redor, tendo efeitos devastadores.

Fonte(s): La Nación Imagens: Reprodução / La Nación

Jornal Ciência