Vacina contra HIV poderá estar disponível em 2021, dizem cientistas

Cientistas estão otimistas com novos dados científicos sobre três vacinas contra o vírus HIV

de Otto Valverde 0

Vacina contra HIV poderá estar disponível em 2021

Cientistas acreditam que até o ano de 2021, uma vacina contra o HIV já estará disponível.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Atualmente, existem três vacinas diferentes em estágio final de testes. Os pesquisadores acreditam que com os resultados que estão alcançando, poderemos ter a primeira vacina contra o vírus HIV já no ano de 2021.

As vacinas, chamadas de HVTN 702, Imbokodo e Mosaico, são a nova promessa de avanço científico contra uma doença que já matou mais de 35 milhões de pessoas em todo o mundo.  

HVTN 702 começou a ser testada na África do Sul em 2016. Ela é derivada de uma outra vacina, chamada de RV144, que há alguns anos, obteve resultados de 30% de eficácia e, por isso, foi melhor estudada para obter resultados mais eficazes.

Outra vacina, a Imbokodo, começou a ser testada em cinco países da África em 2017, contanto com a participação de 2.600 mulheres nos testes clínicos.

A vacina Mosaico, começou a ser testada em novembro de 2019, recrutando 3.800 homens gays e transgêneros para ensaios clínicos em 57 locais dos EUA, América Latina e Europa.

Tanto as vacinas Imbokodo como a Mosaico usam o mesmo sistema de abordagem: diversos fragmentos virais para induzir o corpo a produzir respostas imunológicas para variedades globais do HIV, e não somente para uma variedade específica.

Imbokodo e Mosaico são as verdadeiras promessas para os próximos anos. Cientistas acreditam que, caso consigam comprovar eficácia de 50% na redução do contágio, isso já significaria um grande avanço, permitindo a inserção das vacinas em todo o mundo.

Vacina significa cura?

Ao que tudo indica, os estudos mostram que a vacina seria mais uma opção de proteção ao contágio do vírus HIV – e não a cura definitiva. Assim como outros métodos já existentes.

Atualmente, contamos com a camisinha e o PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) que é um medicamento disponível no SUS onde as pessoas devem tomar diariamente para evitar o contágio com resultados de eficácia entre 95 e 99%.

Também existe no SUS o PEP (Proxilaxia Pós-Exposição) para casos de urgência como violência sexual, relações desprotegidas e acidentes de trabalho.

Neste caso, as pessoas buscam uma unidade de saúde mais próxima para receber medicamentos antirretrovirais, evitando assim que o vírus se instale, impedindo a contaminação.

Fonte: Daily Mail / NBC Fotos: Reprodução / YouTube

Jornal Ciência