Vacina contra gripe pode reduzir risco de sintomas graves de Covid-19 em crianças, diz estudo

de Redação Jornal Ciência 0

Nenhum vírus é uma ilha. Depois que ele se estabelece dentro de uma célula, outros vírus que conseguem entrar na célula já infectada podem se tornar incapazes de responder da maneira usual – seja para melhor ou para pior.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Um novo estudo sugere que o vírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, pode ter menos “ação” em algumas populações após tomarem outras vacinas não relacionadas com o coronavírus, como vacinas da gripe e pneumocócica.

“É sabido que o crescimento de um vírus pode ser inibido por uma infecção viral anterior”, diz o reumatologista pediátrico da Universidade de Missouri, EUA, Anjali Patwardhan.

“Esse fenômeno é chamado de interferência de vírus e pode ocorrer mesmo quando o primeiro vírus invasor é um vírus inativado, como é o caso da vacina contra a gripe”.

No início da pandemia, havia a preocupação de que a combinação de Covid-19 e gripe pudesse se tornar um problema durante o inverno em vários países. Existia o temor que uma forte temporada de gripe, associada com o pico da Covid-19, pudesse causar mais mortes.

Felizmente, isso não aconteceu – mas ainda há perguntas a serem respondidas sobre como outros vírus (incluindo vacinas feitas de vírus inativados) afetam a SARS-CoV-2.

Para descobrir, uma equipe de pesquisadores pediátricos analisou todos os casos positivos de Covid-19 que puderam encontrar no Arkansas Children’s Hospital System, entre 1º de fevereiro a 30 de agosto de 2020. Ao total, foram encontrados 905 pacientes com no máximo 20 anos.

Eles então analisaram o quão doente os pacientes ficaram, bem como se haviam tomado ou não a vacina para gripe e doença pneumocócica.

Os resultados foram empolgantes – as crianças que receberam a vacina contra a gripe naquela temporada tinham chances menores de ter casos graves de Covid-19, comparado com crianças não vacinadas.

Os pesquisadores acreditam que os resultados levantam a hipótese de que a baixa adesão da vacinação contra o vírus da gripe ou da doença pneumocócica, pode ser um dos motivos para populações específicas estarem sendo tão impactadas pela Covid-19.

É importante lembrar que as crianças já são menos suscetíveis a desenvolver casos graves de Covid-19. Agora também sabemos que às vezes elas podem carregar uma grande quantidade do vírus sem ficarem doentes.

“A pesquisa na população pediátrica é crítica porque as crianças desempenham um papel significativo na influência da transmissão viral”, disse Patwardhan.

“Compreender a relação e coexistência de outros vírus ao lado da Covid-19, e saber o estado de vacinação do paciente pediátrico, pode ajudar a implantar estratégias certas para obter os melhores resultados”, salientou o médico.

A equipe agora espera que a pesquisa leve a uma investigação mais aprofundada do papel que vacinas de outros vírus possam ter contra a replicação do vírus da Covid-19, em uma amostra maior da população. O estudo foi publicado na revista científica Cureus

Fonte(s): Science Alert Imagens: Reprodução / Harvard

Jornal Ciência