Nova variante do HIV mais agressiva e transmissível é encontrada na Holanda com 109 infectados

A nova variante é descrita pelos cientistas como “altamente virulenta” e foi revelada ao mundo em publicação na respeitada revista Science

de Redação Jornal Ciência 0

A autoria do artigo é da prestigiada Universidade de Oxford, no Reino Unido. De acordo com a publicação, a nova variante do HIV é altamente agressiva e mais transmissível.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

De modo provisório, ela foi batizada de “variante VB” (uma sigla em inglês para denominar variante virulenta do subtipo B). De acordo com as análises, o novo HIV consegue concentrar no sangue uma maior carga viral, comparado com as cepas atuais existentes no mundo.

Algumas características identificadas preocuparam os cientistas, como por exemplo a capacidade de diminuir rapidamente as células de defesa específicas contra o vírus, chamadas T-CD4. Além disso, o novo HIV é extremamente transmissível.

Chris Wymant, em entrevista à BBC, explicou que apesar das análises, a descoberta não deve causar pânico nas pessoas, já que a ciência atualmente possui meios eficazes de controlar o HIV e suas variantes com os medicamentos chamados antirretrovirais.

No estudo, os dados dos artigos mostram que os pacientes que foram submetidos ao tratamento com as drogas já existentes conseguiram diminuir a carga viral circulante no sangue — em níveis semelhantes aos infectados com as outras cepas do HIV.

Mas, apesar disso, os pesquisadores ressaltaram que a descoberta reforça a necessidade massiva de testes regulares para identificar qual cepa uma pessoa infectada é portadora.

O estudo cita ainda que os pacientes com a “variante VB” apresentavam até 5,5 vezes mais vírus no sangue, forçando as células de defesa do sistema imunológico caírem 2 vezes mais rápido que o normal, comparado com os outros pacientes com as outros tipos de HIV.

Os cientistas virologistas acreditam que a teoria mais aceita seja que a nova mutação tenha ocorrido há tempos e pode estar circulando há anos, sendo resultado de múltiplas mutações que passaram despercebidas.

Isso teria ocorrido porque, apenas recentemente, as amostras de sangues de pacientes soropositivos começaram a ser sequenciadas geneticamente, o que sugere que a variante possa existir há décadas de forma “silenciosa”.

A Universidade de Oxford acredita que a nova variante tenha, teoricamente, surgido na Holanda entre 1980 e 1990 e se espalhou nos anos 2000. Mas, nunca havia sido encontrada, sequenciada e mapeada em indivíduos.

No estudo, 109 pessoas foram confirmadas com a “variante VB”, sendo a maioria na Holanda, embora algumas pessoas foram identificadas na Suíça e Bélgica.

Estima-se que 37,7 milhões de pessoas no mundo viviam com HIV em 2020, de acordo com dados oficiais do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS. Ainda em 2020, 680 mil pessoas morreram por complicações relacionadas à AIDS e 1,5 milhão de novas infecções foram detectadas.

Os dados mostram ainda que em 2020, mais de 73% dos infectados tinham acesso ao tratamento correto com os medicamentos antirretrovirais — anteriormente chamados de coquetéis e que hoje pode ser feito com apenas uma única pílula ingerida diariamente.

Fonte(s): BBC  / Science Imagens: Reprodução / Visual Science

Jornal Ciência