Reino Unido sobe para 56 número de infectados após 36 novos casos da varíola dos macacos; 20 países foram atingidos

de Redação Jornal Ciência 0

O surto de varíola dos macacos já atinge cerca de 20 países, e está intrigando as autoridades de saúde do mundo, de acordo com informações do jornal britânico The Sun.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A doença, que é endêmica da África Ocidental e Central, sempre foi considerada extremamente rara em outras partes do mundo.

Foram detectados, nas últimas semanas, algo em torno de 100 a 200 casos (entre confirmados e suspeitos). Isso sugere contaminação comunitária, onde uma pessoa passa para outra, sem necessariamente ter viajado para um local tradicionalmente conhecido por ter a doença.

A Agência de Saúde e Segurança do Reino Unido (UKHSA) disse que, embora o surto atual seja “significativo e preocupante”, o risco para a população ainda permanece baixo.

Mas, as pessoas devem estar atentas aos sintomas da doença, que inclui um estágio inicial semelhante à gripe antes de ocorrer as tradicionais bolhas na pele, que podem começar no rosto, mãos e pés.

De acordo ainda com o The Sun, até o momento, a varíola dos macacos não é considerada uma infecção sexualmente transmissível (IST). No entanto, pode ser transmitida através do contato sexual quando alguém toca as lesões de uma pessoa infectada.

A doença pode ser transmitida ao tocar em roupas, roupas de cama ou toalhas usadas por pacientes que apresentam erupção cutânea da varíola dos macacos. Tosse e espirro também são uma forma de transmitir.

O governo britânico disse que tem estoque da vacina da varíola humana — já que a varíola dos macacos é da mesma “família” do vírus da versão humana, sendo assim, a vacina teria eficácia de 85% de proteção.

A varíola dos macacos é conhecida há 40 anos, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS), pontuou que essa explosão atual de casos é diferente. É a primeira vez que há vários casos sem ligações, de pessoas que não viajaram para as 11 nações africanas onde a doença é endêmica. E isso intriga os especialistas.

Mas, a líder de doenças emergentes da OMS, Maria Van Kerkhove, amenizou a crise e disse que a situação era “contida”.

Os sintomas iniciais da varíola dos macacos incluem: febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão. Uma erupção pode se desenvolver, geralmente começando no rosto, depois se espalhando para outras partes do corpo, incluindo os genitais.

A erupção muda e passa por diferentes estágios. A princípio, pode parecer varíola comum, antes que as “bolhas” fiquem inchadas, elevadas e cheios de pus. As lesões finalmente formam uma crosta, que depois caem.

Fonte(s): The Sun Imagens: Reprodução / The Sun

Jornal Ciência