OMS declara varíola dos macacos emergência de saúde global após 16.000 casos em 75 países

O diretor-geral da OMS confirma que são 16.000 casos mundiais e que o surto se concentra entre homens que fazem sexo com homens

de Redação Jornal Ciência 0

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou à imprensa, neste sábado (23/07), que a varíola dos macacos é oficialmente uma emergência de saúde global.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A decisão veio após confirmação de mais de 16.000 casos em 75 países, totalizando 5 mortes até o momento, declarou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

“Decidi declarar uma emergência de saúde pública de alcance internacional”, diz Tedros durante a coletiva. Ele afirmou que o risco ao mundo é moderado, mas alto na Europa, onde o número de casos explodiu em pouco tempo.  

De acordo com informações internas, Tedros tomou a decisão mesmo sem o consenso de todos os membros do comitê de emergência da OMS — algo que o diretor-geral nunca havia feito antes.

Tedros ainda ressaltou que, há um mês, eram 3.040 casos em 47 países. Agora, o surto ganhou proporções preocupantes com 16.000 casos em 75 países.

No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, são 607 casos confirmados da doença, o que coloca o país entre os 10 com maior número de infectados. Além disso, milhares podem estar sob suspeita de infecção.

A OMS afirmou que metade dos países atingidos tem acesso às vacinas, mas Mike Ryan, diretor de emergências da agência, disse que ser vacinado não dará imunidade instantânea, fator que preocupa pela rápida propagação do vírus. Além disso, as vacinas estão em falta, e a demanda pode não ser suprida de forma tão rápida.

Para Tedros, devemos tomar medidas estratégicas em “grupos certos”. “Embora eu esteja declarando uma emergência de saúde pública de interesse internacional, no momento este é um surto que se concentra entre homens que fazem sexo com homens, especialmente aqueles com múltiplos parceiros sexuais. Isso significa que este é um surto que pode ser interrompido com as estratégias certas nos grupos certos”, disse o diretor-geral.

Tedros Adhanom ainda salientou que os países devem trabalhar junto com as comunidades de homens que fazem sexo com homens, fornecendo informações necessárias para proteção da saúde, garantindo os direitos humanos e dignidade para estas comunidades.

“Estigma e discriminação podem ser tão perigosos quanto qualquer vírus. Além de nossas recomendações aos países, também peço às organizações da sociedade civil, incluindo aquelas com experiência no trabalho com pessoas vivendo com HIV, que trabalhem conosco no combate ao estigma e à discriminação”, disse Tedros.

Os principais sintomas da varíola dos macacos são: febre, dor de cabeça, dor muscular, dor nas costas, gânglios (são os linfonodos, em alguns locais do país conhecidos como ínguas; inchaços na virilha, pescoço, axila, etc) inchados, calafrios e sensação de exaustão.

Após 1 a 3 dias (às vezes 5) do aparecimento dos sintomas, pacientes podem ter as famosas erupções cutâneas (bolhas), que podem começar no rosto e ir se espalhando para outras partes do corpo. Segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos EUA, as erupções passam por 5 estágios antes de caírem.

A cura da doença ocorre, em média, entre 2 a 4 semanas de forma espontânea. Não existe medicamento contra a doença, sendo a vacina (ainda não disponível no Brasil) contra a varíola, a única forma de proteção contra o vírus.

Fonte(s): Organização Mundial da Saúde (OMS) Imagens: Reprodução / Basin54

Jornal Ciência