Reino Unido em alerta ao chegar aos 90 casos confirmados de varíola dos macacos

de Redação Jornal Ciência 0

O Reino Unido vê o número de infectados pela varíola dos macacos crescer. Agora, são 90 infectados confirmados, de acordo com o jornal The Sun.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O surto teve início em março de 2022 e já preocupa líderes de saúde de diversos países na Europa e Estados Unidos.  

Embora a varíola dos macacos seja uma doença leve, que melhora com o tempo, em casos raros pode levar à morte. Cerca de 6% dos casos, em média, são fatais, diz a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O professor David Heymann, que anteriormente chefiou o departamento de emergências da OMS, disse que a principal teoria “era a transmissão sexual entre homens gays e bissexuais em duas raves realizadas na Espanha e na Bélgica”, informou a agência de notícias AP.

A varíola dos macacos não é conhecida como sendo uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), mas pode ser transmitida por contato direto durante o sexo, possivelmente através de itens contaminados, como roupas (incluindo as íntimas), lençóis e toalhas.

O nome varíola “dos macacos” teve origem em sua descoberta, inicialmente em macacos, em um laboratório dinamarquês no ano de 1958. O primeiro caso humano foi identificado em uma criança na República Democrática do Congo em 1970.

Novos dados divulgados dizem que uma investigação anterior, em um paciente que teve varíola dos macacos na forma severa, testou positivo mais de 70 dias depois que apresentou os sintomas. Um estudo sobre isso foi publicado, há 2 dias, na revista científica The Lancet Infectious Diseases.

O estudo é de autoria do Dr. Hugh Adler, da Escola de Medicina Tropical de Liverpool, na Inglaterra. “Permanece positivo na garganta e no sangue durante a duração da doença e talvez ainda mais após a erupção ser curada”, disse.

O Dr. Hugh Adler disse ainda que os cientistas não sabem dizer se isso significa que esses pacientes são mais infecciosos ou se ficam infecciosos por mais tempo, e mais estudos precisam ser feitos para entender essa dinâmica.

Fonte(s): The Sun Imagens: Reprodução / The Sun

Jornal Ciência