Espaçonave chinesa Tianwen-1 captura imagens impressionantes de Marte após circundá-lo 1.300 vezes

Tianwen-1 estava orbitando Marte desde fevereiro de 2021 na missão inaugural da China ao Planeta Vermelho

de Redação Jornal Ciência 0

Uma espaçonave que circulou Marte mais de 1.300 vezes capturou uma série de fotos impressionantes, com requintes de detalhes, cobrindo todo o Planeta Vermelho.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O orbitador chinês Tianwen-1 enviou imagens de alta resolução do polo sul marciano, onde quase todos os recursos hídricos do planeta estão, em teoria, no subsolo.

O orbitador chinês Tianwen-1 enviou imagens de alta resolução do polo sul marciano, onde quase todos os recursos hídricos do planeta estão, possivelmente, no subterrâneo. Localizar a água é fundamental para missões futuras

Algumas imagens mostram o famoso desfiladeiro Valles Marineris, de 4.000 quilômetros de comprimento, e as crateras de impacto da Arabia Terra, uma região montanhosa no norte de Marte.

Esta imagem mostra o desfiladeiro Valles Marineris, com 4.000 km de comprimento, que corre ao longo da superfície marciana

Tianwen-1 alcançou com sucesso o Planeta Vermelho em fevereiro de 2021, na missão inaugural da China. As imagens do polo sul de Marte são as primeiras registradas pela espaçonave chinesa, afirmou a mídia estatal nesta quarta-feira (29/06). Em 2018, uma sonda em órbita operada pela Agência Espacial Europeia descobriu água sob o gelo do polo sul do planeta.

A localização da água subterrânea é fundamental para determinar o potencial de existência de vida no planeta, além de fornecer um recurso permanente que poderia permitir a exploração espacial e colonização humana.

Outra foto (ver imagem de capa) mostra uma visão de cima para baixo do vulcão Ascraeus Mons, com incríveis 18 quilômetros de altura. Este vulcão foi detectado pela primeira vez pela NASA, usando a espaçonave Mariner 9, há mais de 50 anos.

Tianwen-1 é o nome da espaçonave robótica que, na verdade, consiste em 6 sistemas separados de equipamento — um orbitador, duas câmeras implantáveis, um módulo de pouso, uma câmera remota e o rover Zhurong.

A China lançou com sucesso o Tianwen-1 não tripulado em 23 de julho de 2020 a bordo do foguete Long March 5 Y-4, do Centro de Lançamento Espacial de Wenchang — localizado na ilha de Ainão, menor província da China.

A sonda fotografou as crateras de impacto Arabia Terra, uma região montanhosa ao norte de Marte. Sua topografia acidentada indica grande idade, e presume-se que seja um dos terrenos mais antigos do planeta

O nome Tianwen-1 pode ser traduzido como “perguntas ao céu” ou “perguntas celestiais” e foi dado fazendo referência a um antigo poema chinês que contém versos sobre o cosmos.

A sonda viajou um total de 475 milhões de quilômetros e realizou várias manobras de trajetória antes de entrar na órbita marciana — considerado um verdadeiro marco tecnológico espacial para a China. A conquista fez da China o segundo país, depois dos EUA, a realizar com sucesso um pouso em Marte.

NASA quer missão tripulada a Marte após 2030

A NASA planeja enviar uma missão tripulada a Marte na década de 2030. A agência não se contentou com o primeiro pouso na Lua e quer dar passos maiores.

Marte se tornou o próximo salto gigante para a exploração espacial da humanidade — almejado não só pela NASA, mas também por bilionários como Elon Musk.

Mas, antes que os humanos cheguem ao planeta vermelho, os astronautas darão uma série de pequenos passos ao retornar à Lua para uma missão de um ano.

Em maio de 2017, Greg Williams, vice-administrador de políticas e planos da NASA, delineou o plano de 4 etapas da agência espacial que espera um dia permitir que os humanos visitem Marte, bem como o prazo esperado.

As fases 1 e 2 envolverão várias viagens ao espaço lunar, para permitir a construção de um habitat que fornecerá uma área de preparação para a jornada.

A agência também quer realizar uma simulação de 1 ano de vida em Marte em 2027. As fases 3 e 4 começarão após 2030 e envolverão expedições sustentadas pela tripulação ao sistema marciano e à superfície de Marte.

Fonte(s): Daily Mail Imagens: Divulgação / Tianwen-1

Jornal Ciência