China fabrica nuvens artificiais e gera chuvas forçadas em meio a maior onda de calor dos últimos 60 anos

O gigante asiático está propondo medidas polêmicas para “controlar” o clima e combater a seca severa

de Redação Jornal Ciência 0

A China começou a promover o seu sistema de chuvas artificiais para tentar lidar com a seca sem precedentes que afeta diversas regiões próximas ao rio Yangtze — o mais extenso da Ásia e terceiro maior do mundo.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Os departamentos de meteorologia, das províncias de Hubei e Hunan estão usando os chamados “caçadores de nuvens” — controversos foguetes que são disparados para o céu, liberando bastões com substâncias químicas de condensação, como o iodeto de prata, para aglomerar nuvens e forçar chuvas.

O Ministério dos Recursos Hídricos da China lançou um alerta nacional a este respeito, uma vez que a bacia do rio Yangtze foi altamente afetada pela seca, o que pode causar danos à água potável da população rural, ao gado e ao crescimento das plantações.

Abundantes chuvas artificiais caíram em Hubei (centro do país), por várias horas, e conseguiram aliviar as altas temperaturas, em meio a pior seca já enfrentada pelo país nos últimos 60 anos, segundo informações do espanhol jornal La Vanguardia.

Para gerar estas chuvas, foram necessários diversos foguetes com substâncias químicas espalhadas em uma área de 500 quilômetros. A China tomou esta medida após o país atingir temperaturas superiores a 41ºC e fortes secas em diversas províncias.

Em Hubei, 150.000 pessoas tiveram dificuldade de ter acesso à água potável desde junho. Quase 400.000 hectares de plantações agrícolas foram danificados pelas altíssimas temperaturas e falta de chuva.

“Não é tão fácil aumentar artificialmente as chuvas, pois estamos prontos desde 19 de julho para disparar o canhão quando chegasse a hora. A melhor chuva artificial requer nuvens adequadas no céu, com camadas de 2 a 3 quilômetros de espessura”, afirmou Yu Xiaoyao, chefe do Departamento Meteorológico da cidade de Taoyuan, em entrevista ao jornal Hunan Daily, explicando que “a hora certa” precisa ocorrer para que os foguetes sejam disparados.

É seguro forçar chuvas artificiais?

A técnica é polêmica e desagrada muitos cientistas que acreditam não existir estudos suficientes sobre os impactos ao meio ambiente a longo prazo

Bastões de iodeto de prata são disparados nas nuvens; o composto químico atua como uma partícula higroscópica, que acelera o processo de acumulação de água, forçando assim a precipitação das chuvas. Outros países como Índia e Emirados Árabes Unidos também usam a técnica.

Fonte(s): La Vanguardia / PlayGround Imagens: Divulgação / FreePik

Jornal Ciência