Robô da NASA registra raríssimas nuvens brilhantes e coloridas em Marte

de Redação Jornal Ciência 0

Aqui na Terra, olhar para céu enquanto nuvens passam e escondem o Sol é algo comum, mas se você estiver em Marte, isso é algo bizarro — pelo menos do ponto de vista do conhecimento atmosférico que temos do planeta.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Devido à sua atmosfera fina e seca, as nuvens não costumam se formar no famoso “planeta vermelho”. O robô Curiosity, da NASA, que explora as condições naturais de Marte, acaba de capturar algo considerado uma vitória para o conhecimento da astronomia.

Os cientistas ficaram impressionados ao registrar nuvens extraordinariamente coloridas no planeta — um fenômeno muito raro. Quando se formam em Marte, as nuvens geralmente aparecem acima do equador durante a época mais fria do ano, quando Marte está mais distante do Sol em sua órbita.

Uma pessoa em solo marciano não conseguiria ver as cores com tanta nitidez pela grande altitude onde são formadas. Foto: Reprodução / NASA / JPL-Caltech / MSSS

A NASA já havia notado a estranha formação de nuvens há dois anos, mas não conseguiu registrar boas imagens do fenômeno à época, então aguardou para ver se o mesmo ocorreria.

Os cientistas notaram estranhas nuvens finas se formando no céu de marte desde janeiro deste ano, e posicionaram o robô Curiosity para tentar registrar o momento exato onde a exuberância de cores fosse surgir nas nuvens.

Em março, o Curiosity capturou nuvens finas espalhando a luz do pôr do sol e criando visuais cintilantes e coloridos — chamadas de nuvens noctilucentes porque brilham à noite.

Estes registros atmosféricos são muito importantes porque ajudam os cientistas a entenderem do que estas nuvens são feitas e como são formadas, compreendendo melhor as características específicas do planeta.

Em Marte, nuvens de água geralmente se formam a menos de 60 quilômetros de altura. Mas, as nuvens cintilantes registradas estão muito mais altas que isso, sugerindo serem formadas por dióxido de carbono congelado — mais conhecido como “gelo seco”.

O formato ondulado das nuvens noctilucentes é mais fácil de ver em preto e branco. Foto: Reprodução / NASA / JPL-Caltech / MSSS

Quando observadas logo após o pôr do sol, os cristais de gelo seco espalham a luz, gerando o brilho. Nuvens brilhantes à noite são muito finas, tão finas que não podem ser vistas durante o dia.

“Se você vir uma nuvem com um conjunto de cores pastéis cintilantes, é porque as partículas da nuvem são quase idênticas em tamanho”, disse Mark Lemmon, cientista atmosférico do Space Science Institute, em comunicado à imprensa.

A estranha estrutura ondulada dessas nuvens é mais fácil de ser observada nas fotos em preto e branco do Curiosity. Elas ficam mais brilhantes à medida que o Sol desce abaixo de sua altitude, o que ajudará os cientistas a calcular a altura que elas se formam.

Foto: Reprodução / NASA / JPL-Caltech / MSSS

“Sempre fico maravilhado com as cores que aparecem: vermelhos, verdes, azuis e roxos”, disse Lemmon. “É muito legal ver algo brilhando com muitas cores em Marte”, finalizou.

Essas nuvens são essencialmente a coisa mais colorida que você verá em Marte. De acordo com Lemmon, se você estivesse ao lado do robô Curiosity na superfície marciana, seria capaz de ver as cores a olho nu, embora em tons extremamente fracos.

Fonte(s): IFLScience Imagens: Reprodução / NASA / JPL-Caltech / MSSS

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência