Casa dos horrores: russo vivia com 29 corpos mumificados em formato de bonecas em seu apartamento

de Merelyn Cerqueira 0

Anatoly Moskvin, um russo de 50 anos, foi preso em 2011 em sua casa na cidade de Nizhny Novgorod, região central da Rússia, após denúncias de que havia desenterrado cadáveres de cerca de 150 meninas entre 12 e 13 anos de idade.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Segundo consta, ele utilizou os corpos e esqueletos em decomposição para a produção de bonecas. Estas, que era bem vestidas e apelidadas, recebiam até mesmo festas de aniversário. A obsessão macabra do russo foi descoberta por seus pais durante uma visita casual feita em 2011, conforme informado pelo Daily Mail.

por-dentro-da-casa-dos-horrores_1

O interior da casa de Moskvin, conhecido como “Doll Maker” (“Fazedor de Bonecas”, em tradução livre), foi registrado em um vídeo feito por ele mesmo e encontrado pelos investigadores do caso. Ele mostra um corredor cheio de vestidos de noiva, roupas brilhantes e coloridas e vários corpos sentados ao redor da casa trajando estranhas fantasias.

por-dentro-da-casa-dos-horrores_2

Então, quando a câmera se aproxima de uma das bonecas, envolta em tecidos de cor neutra, uma voz diz: “Essas bonecas são feitas de restos humanos mumificados”.

por-dentro-da-casa-dos-horrores_3

por-dentro-da-casa-dos-horrores_4

De acordo com a polícia, Moskvin também compilou informações atualizadas sobre a vida de cada menina que havia desenterrado, bem como imprimiu uma pesquisa com instruções sobre como produzir bonecas a partir de restos humanos. Ele também nomeou cada uma das criações e organizou festas de aniversário para todas.

por-dentro-da-casa-dos-horrores_5

por-dentro-da-casa-dos-horrores_6

Contudo, um juiz determinou que Moskvin não era mentalmente apto a ser julgado, por isso deveria permanecer em uma clínica psiquiátrica. Em seu julgamento, foi descrito que ele era capaz de falar 13 línguas e era extremamente inteligente.

por-dentro-da-casa-dos-horrores_7

De acordo com um porta-voz do promotor do caso, “depois de três anos de monitoramento em clínica psiquiátrica, ficou absolutamente claro que Moskvin não era mentalmente apto para julgamento”. Desde então, segundo consta, ele está em tratamento psiquiátrico.

Fonte: Daily Mail / Mirror 

Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência