Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Vírus do Nilo Ocidental é detectado em Minas Gerais, São Paulo e Piauí

A transmissão do vírus ocorre por meio dos pernilongos do gênero Culex. A doença pode matar e apresenta febre e dor de cabeça como sintomas principais.

de Redação Jornal Ciência 0

Foi detectado em Minas Gerais, São Paulo e Piauí, o vírus da chamada febre do Nilo Ocidental. O responsável pela transmissão são os mosquitos do gênero Culex. Eles podem picar humanos e outros animais e transmitir o vírus.

O ser humano serve como hospedeiro do vírus, bem como animais como cavalos e aves. Dor de cabeça, vômito, cansaço extremo e febre são os principais sintomas de quem é contaminado.

Estima-se que 1 pessoa a cada 150 desenvolva meningite viral — que é a inflamação das membranas que cobrem o cérebro — e encefalite, que é a própria inflamação do cérebro. Estes casos são considerados graves, e pode ser fatal.

O contaminado não transmite o vírus para outra pessoa. A transmissão ocorre de forma muito parecida como no caso da dengue, necessitando da picada do mosquito, obrigatoriamente, para ocorrer a infecção.

Segundo informações do Instituto Oswaldo Cruz, o vírus foi detectado em amostras colhidas de cavalos que ficaram doentes entre os anos de 2018 e 2020.

A pesquisa foi feita pelos cientistas do Instituto Oswaldo Cruz, da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

“O cavalo é a principal epizootia e atua como sentinela para a doença. Esclarecer os casos suspeitos é importante para detectar a presença do vírus na região e prevenir a transmissão para os rebanhos equinos e as pessoas”, afirmou Luiz Alcantara, coordenador do estudo, ao Instituto Oswaldo Cruz.

Fonte(s): Fiocruz Imagens: Reprodução / Pixabay

Jornal Ciência