Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Luz solar pode neutralizar o coronavírus 8x mais rápido do que se pensava, diz estudo

Novos dados científicos mostram que o vírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, pode ser inativado pela luz solar até 8 vezes mais rápido do que se pensava anteriormente.

de Redação Jornal Ciência 0

Uma equipa de cientistas internacional — composta por pesquisadores das universidades norte-americanas UC Santa Bárbara e da Oregon State University, pela inglesa University of Manchester, e pela suíça ETH Zurich — descobriram em um estudo mais recente que a capacidade da luz solar neutralizar o SARS-CoV-2 não estava à altura do que estávamos pensando.

Os cientistas decidiram comparar os dados de um estudo de julho de 2020, que relatou a rápida inativação do SARS-CoV-2 à luz do sol em laboratório, com uma teoria da inativação do novo coronavírus por radiação solar publicada apenas um mês antes.

A equipa concluiu que o vírus foi inativado até oito vezes mais rápido em experiências do que o modelo teórico mais recente previu.

“A teoria pressupõe que o UV-B atinge o RNA do vírus, danificando-o”, resumiu o professor de engenharia mecânica da UC Santa Bárbara, Paolo Luzzatto-Fegiz, em comunicado à imprensa.

Ainda assim, a inativação do RNA por UV-B “pode ​​não ser tudo”. Os cientistas especularam que poderia haver outro mecanismo em jogo além da inativação do RNA pelos raios UV-B, como o UV-A, o componente menos energético da luz solar.

“As pessoas pensam que o UV-A não tem muito efeito, mas ele pode estar interagindo com algumas das moléculas do meio” que, por sua vez, podem estar interagindo com o vírus, acelerando a inativação, explicou o pesquisador.

Os cientistas ainda não sabem exatamente o que está acontecendo, mas, num artigo publicado no Journal of Infectious Diseases, apontam para a necessidade de serem realizadas mais experiências para testar separadamente os efeitos dos comprimentos de onda de luz específicos e a composição do meio.

Se confirmar que o UV-A é capaz de inativar o vírus, a descoberta pode ser muito importante, uma vez que, atualmente, existem muitos tipos de lâmpadas LED baratas que são ainda mais fortes do que a luz solar natural, o que poderia ajudar na luta contra o novo coronavírus.

O UV-A também pode ser usado para amplificar o efeito dos sistemas de filtragem de ar com risco relativamente baixo para a saúde humana. Mais estudos precisam ser feitos para entender o mecanismo de ação do UV-A e como utilizá-lo o mais rápido possível de forma segura.

Fonte(s): ZAP Imagens: Reprodução / Shutterstock

Jornal Ciência