OMS diz que hepatite misteriosa já chega a 32 países com 450 casos; Brasil tem 44 casos investigados

Médica da OMS acredita que os casos podem estar relacionados com o coronavírus que “persiste” no sistema digestivo das crianças. Já são mais de 450 casos pelo mundo

de Redação Jornal Ciência 0

Em comunicado à imprensa nesta terça-feira (17/05), a Organização Mundial da Saúde (OMS), disse que recebeu oficialmente notificação de 32 países com crianças acometidas pela misteriosa hepatite sem causa definida.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

De acordo com a médica Dra. Philippa Easterbrook, cientista sênior no departamento de HIV e hepatite da OMS, atualmente 12 países estudam localmente mais de 5 pacientes com hepatite aguda.

Dos mais de 450 casos, a maioria está na Europa. Até 75% das crianças têm menos de 5 anos de idade. Já foram 26 cirurgias de transplante de fígado e 6 mortes.

“Casos de hepatite em crianças sempre ocorreram, mas eram raros. Agora estamos trabalhando com pesquisas em vários países para estabelecer se há algum ponto em comum em todos esses relatórios”, disse a Dra. Philippa Easterbrook à imprensa.

No Brasil, o Ministério da Saúde monitora 44 casos de possível hepatite aguda sem causa definida, em diversos estados. Até o momento, houve registros em São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul.

O que é hepatite?

É a inflamação do fígado. Em todos os pacientes do mundo, nenhum deles apresenta os vírus que causam hepatite: A, B, C, D e E.

A OMS descartou nestes pacientes todas as possibilidades naturais de desenvolver hepatite, incluindo medicamentos, álcool, alimentos contaminados etc.

A OMS acredita que os casos que estão explodindo ao redor do mundo têm a soma de dois fatores: a infecção pelo coronavírus e a infecção por uma virose comum causada pelo adenovírus-41.

“A principal hipótese está associada ao adenovírus e à infecção da Covid-19. Estamos avaliando se a infecção prévia da Covid-19 pode ter persistido no trato digestivo dessas crianças ou se a virose pode ter sido o gatilho para a hepatite”, disse a Dra. Philippa Easterbrook.

A Dra. Philippa Easterbrook ressaltou ainda, durante a coletiva de imprensa, que a ciência já sabe que o coronavírus pode causar hepatite nos adultos, mas estudos precisam ser feitos para entender se a mesma relação está ocorrendo em crianças.

Fonte(s): OMS Imagens: Reprodução / Trends BR

Jornal Ciência