Misteriosa hepatite infantil chega a 20 países com 228 casos confirmados e 50 suspeitos, diz OMS

Até agora, a doença foi identificada em 228 crianças. O mais atingido é o Reino Unido, com 145 casos

de Redação Jornal Ciência 0

A Organização Mundial da Saúde (OMS), confirma que o surto de crianças com hepatite misteriosa já chegou a 20 países.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Segundo a OMS, a maioria dos casos surgiu na Europa. A organização ainda ressaltou que houve um aumento significativo inesperado nos casos entre crianças e jovens, previamente saudáveis.

Os EUA têm o segundo maior número de infecções (27), seguidos pela Espanha (13) e Israel (12).

“A partir de 1º de maio, pelo menos 228 casos prováveis ​​foram relatados à OMS de 20 países, com mais de 50 casos adicionais sob investigação”, disse ontem (03/04), Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS durante coletiva de imprensa em Genebra.

Mais 8 países detectaram casos de hepatite aguda misteriosa em uma semana desde a última atualização da OMS. Mais uma morte ocorreu por falência do fígado e está sendo investigada — o país não foi revelado.

Outras 4 mortes — 3 na Indonésia e 1 nos EUA — foram relatadas pelos ministros da saúde dos respectivos países, mas ainda precisam ser oficialmente confirmadas e relacionadas.

Até o momento, 18 crianças precisaram passar por transplante de fígado. O surgimento da doença em crianças, a maioria com menos de 10 anos de idade, enviou ondas de preocupação pelo mundo.

A real causa da inflamação do fígado está intrigando cientistas, que acreditam que possa estar relacionada com uma possível mutação no adenovírus.

Existem mais de 50 tipos de adenovírus que causam resfriado comum, mas evidências sugerem que crianças com a hepatite aguda misteriosa estavam infectadas com o adenovírus do tipo 41, que causa sintomas de dores de barriga, vômitos e diarreia.

Cientistas não descartam a possibilidade do adenovírus 41 ter sofrido uma mutação que o permita inflamar o fígado ou que uma possível nova variante da Covid-19 tenha surgido ou esteja associado a ele.

Fonte(s): The Sun Imagens: Reprodução / MedPageToday

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência