Sonda Juno da NASA faz história ao entrar em órbita de Júpiter após jornada épica

de Merelyn Cerqueira 0

A sonda solar motorizada Juno, que deixou a Terra há cinco anos, fez história ao entrar em órbita de Júpiter, às 04:18 GMT (07:18 horário de Brasília), desacelerando-se para menos de uma velocidade de 265.000 km/h, o suficiente para conseguir ficar com sucesso em torno da órbita no planeta.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Com esse objetivo alcançado, a sonda finalmente atinge o ponto final de sua jornada de mais de 2,8 bilhões de quilômetros da Terra. Agora, espera-se que ela forneça informações para que os cientistas possam entender como nosso planeta e o resto do Sistema Solar se desenvolveu, conforme reportado pelo jornal inglês Daily Mail.

Com a sonda em piloto automático, os movimentos delicadamente coreografados se realizaram sem qualquer ajuda dos controladores na Terra, de modo que todos os pesquisadores responsáveis por ela irromperam em aplausos após a confirmação da chegada à órbita. O cientista chefe da missão, Scott Bolton, parabenizou a equipe, dizendo: “Vocês acabaram de fazer a coisa mais difícil que a NASA já fez. Nós estamos lá. Estamos em órbita. Conquistamos Júpiter”. 

sonda-Juno_01

A missão

O nome Juno vem da mitologia Grega e Romana. Júpiter, o pai dos deuses Romanos, desenhou um véu de nuvens em torno de si para esconder sua maldade. Sua esposa, a deusa Juno, foi capaz de se espreitar por entre essas nuvens e revelar a verdadeira natureza do marido. 

A sonda foi lançada da Terra em 5 de agosto de 2011. Após mais de 30 voos rasantes orbitais no planeta gigante, ela agora irá sondar as auroras de Júpiter para saber mais sobre suas origens, estrutura, atmosfera e magnetosfera. Ela passará por cima dos polos por um total de 37 vezes, através de um caminho de menor radiação. Segundo o Daily Mail, são necessários 48 minutos e 19 segundos para que os sinais de rádio da sonda cheguem à Terra.

Campo magnético de Júpiter.
Campo magnético de Júpiter.

Em órbita a 5.000 quilômetros de altura da superfície de Júpiter, Juno deslizará para até 4.200 km, para dentro das nuvens do planeta e o suficiente para fornecer cobertura global em uma única imagem. Nenhuma nave anterior já orbitou tão perto desse planeta. Para completar sua arriscada missão, a sonda terá de sobreviver às poderosas tempestades geradas pelo gigante campo magnético e ao turbilhão de partículas de alta energia que viajam à velocidade da luz criando um dos ambientes de radiação mais severos do Sistema Solar.

Para lidar com essas condições, a nave foi protegida com sensores especiais de radiação e sistema de blindagem. Seu “cérebro”, um computador de bordo, está alojado em um cofre blindado feito de titânio, que pesa cerca de 172 quilos.

Objetivos

Os objetivos da missão incluem estudar a atmosfera de Júpiter e ajudar a desvendar os segredos de formação do Universo, por exemplo, como o tempo está ligado aos processos ocultos nas profundezas do planeta. Entre outras questões, os cientistas pretendem descobrir sobre a existência de água, se existe um núcleo sólido e por que as luzes do sul e norte são as mais brilhantes do sistema solar. Além disso, há também o mistério de sua Grande Mancha Vermelha, que está diminuindo, de acordo com observações feita pelo telescópio Hubble. A missão durará apenas 20 meses, se encerrando em 2018, quando mergulhará para dentro da atmosfera de Júpiter e se desintegrará – um sacrifício necessário para evitar a chance de quaisquer colisões com potenciais luas habitáveis do planeta.

Bonecos Lego em Júpiter

sonda-Juno_024

Dentro da sonda foram enviados para passeio três bonecos de 3,81 centímetros da marca Lego, que retratam o astrônomo italiano Galileu Galilei, o deus romano Júpiter e a esposa Juno. Todos feitos de alumínio para suportar o ambiente hostil do planeta.

Chamando a atenção para esses personagens, a NASA pretende inspirar a próxima geração de engenheiros espaciais, encorajando crianças a explorarem temas como ciência e tecnologia. No entanto, a missão dos pequenos bonecos é suicida, já que, em 2018, quando a nave mergulhar dentro da atmosfera do planeta, ela se desintegrará levando consigo as figuras Lego. A missão Juno faz parte do programa espacial robótico da NASA, Novas Fronteiras, que no ano passado, por meio da sonda New Horizons, obteve imagens próximas do planeta anão Plutão. 

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / NASA ]

Jornal Ciência