Júpiter poderá mostrar um grande espetáculo visual ainda neste ano!

de Bruno Rizzato 0

O maior planeta do nosso Sistema Solar está prestes a atingir o máximo de seu brilho. Júpiter e suas quatro maiores luas ficarão totalmente iluminados pelo Sol na noite de 8 de março. A Terra irá passar entre o Sol e Júpiter, colocando Júpiter em oposição total ao astro, tornando-o mais brilhante do que em qualquer outro momento, nos próximos 13 meses.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Isso significa que o gigante gasoso estará em seu ponto mais próximo da Terra, bem como totalmente iluminado pelo Sol, do nosso ponto de vista. Esses efeitos, juntos, vão garantir que Júpiter tenha sua melhor exibição”, relatou o astrônomo Alan Duffy, da Universidade Swinburne, na Austrália, em entrevista à Australian Geographic.

Estima-se que o enorme planeta gasoso fique a 664 milhões de quilômetros da Terra, sendo até mesmo possível vê-lo a olho nu, junto com suas quatro maiores luas, também conhecidas como os satélites de Galileu. Se você ficar de costas para onde o Sol se põe, Júpiter será o ponto mais brilhante no céu. “Também será facilmente o objeto mais brilhante no céu noturno, depois de Vênus com o Sol”, completa Duffy.

Um bom telescópio poderá distinguir as sombras projetadas pelas luas de Júpiter no topo das suas nuvens, e se você puder visitar um observatório, dependendo da rotação de Júpiter, seria possível enxergar detalhes, como a Grande Mancha Vermelha.

O fenômeno ocorre há mais de 300 anos e caracteriza-se como a maior e mais longa tempestade do Sistema Solar que conhecemos. Também será possível ver os seus fluxos de nuvem, que aparecem como uma luz alternada e faixas escuras ao longo de todo o planeta. “As faixas escuras são chamadas de ‘cinturões’, e as faixas de luz de ‘zonas’. Normalmente, pelo menos, dois cinturões são visíveis, mas em noites com céu estáveis, oito ou mais podem ser vistos”, concluiu Geoff Gaherty em entrevista ao Space.com.

[ Foto: Reprodução / NASA Goddard Space Flight Centre ]

Jornal Ciência