NASA acaba de anunciar uma missão para sondar o núcleo de um planeta morto

de Julia Moretto 0

De tempos em tempos, a NASA escolhe uma missão de US$ 450 milhões para explorar o Sistema Solar. Recentemente, a agência espacial anunciou duas novas sondas que se enquadram nessa categoria.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Uma vai para Júpiter explorar asteroides misteriosos. A segunda missão visitará o asteroide 16 Psique – o núcleo de um planeta morto que foi quase inteiramente destruído bilhões de anos atrás. Estas missões nos ajudarão a aprender sobre a infância do nosso Sistema Solar, um período de apenas 10 milhões de anos após o nascimento do nosso Sol”, disse Jim Green, líder do Programa de Ciência Planetária da NASA.

nasa-acaba-de-anunciar_2

As missões do Programa Discovery são importantes para a agência e para a humanidade como um todo, apesar de serem consideradas de baixo orçamento. Elas têm a tradição de proporcionar uma série de eventos inéditos, então, anunciar uma missão desse tipo para corpos diferentes pode significar que novos dados surgirão.

 

Júpiter não é apenas o maior e mais maciço planeta do Sistema Solar. Mas à frente e atrás de Júpiter, há um misterioso engarrafamento: dois enxames de asteroides troianos ou rochas espaciais que seguem planetas. A humanidade sabe muito pouco sobre esses asteroides de Júpiter, apenas sua cor e o fato de que eles são quase tão antigos quanto o Sol, o que os torna praticamente fósseis do Sistema Solar. “Sabemos muito pouco sobre esses objetos”, disse Green. “Eles podem ser capturados por asteroides, cometas ou mesmo objetos do Cinturão de Kuiper”.

nasa-acaba-de-anunciar_3

A nave espacial Lucy poderia aprender segredos incalculáveis sobre a história do Sistema Solar, visitando seis dos asteroides troianos de Júpiter. Uma nova missão será lançada em 2021, liderada por Harold Levison, um cientista do Southwest Research Institute. “Lucy vai revolucionar a compreensão das nossas origens“, disse Levison em um comunicado de imprensa da NASA.

 

O Sistema Solar primitivo era um pesadelo. Assim que os embriões dos planetas se formaram da poeira e do gás há uns 4,6 bilhões de anos, eles se uniriam violentamente. A Terra e a Lua se formaram a partir do cataclismo, mas outros mundos não tiveram tanta sorte. Um deles é o núcleo metálico de um planeta de tamanho Marte, chamado 16 Psique – o que Green disse ser “um asteroide muito grande e raro” localizado no Cinturão de Asteroides. Com cerca de 250 km de largura, ele é feito de níquel puro, mas coberto de água.

 

A sonda deverá ser lançada em outubro de 2023, e vai tentar visitar o planeta morto, explorando seus mistérios. O anúncio de duas novas missões foi crucial, diz Mark Sykes, diretor e CEO do Instituto de Ciência Planetária. “A NASA diz que houve 12 missões do Discovery, mas 10 delas foram feitas mais de 15 anos atrás“, disse Sykes. Segundo o especialista, escolher é “um primeiro passo importante para a reconstrução do programa“.

 

No entanto, Sykes foi parte de um dos cinco finalistas do Programa Discovery. Sua missão foi uma caça aos asteroides chamada NEOCamA Terra tem potencial para estudarmos pequenos asteroides e cometas, mas ainda não temos uma maneira de encontrar essas rochas espaciais – algumas das quais têm o potencial de nivelar grandes cidades em um instante.

 

NEOCam, em homenagem a objetos próximos da Terra (chamados de NEOs), teria ajudado a descobrir os objetos de qualquer missão espacial. Embora NEOCam não tenha conseguido US$ 450 milhões em financiamento, como Lucy e Psyche, a NASA planeja financiar a missão pelo menos por mais um ano. “A missão NEOCam, além de fornecer Ciência fundamental sobre pequenos corpos em todo o Sistema Solar Interior, realiza uma missão que é necessária para satisfazer o mandato do congresso de encontrar 90% dos NEOs que ameaçam a Terra“, disse Sykes.

 

Na discussão foram feitas duas propostas de sonda para Venus: Davinci, que lanaria uma sonda na superfície infernal do planeta, e Veritas, que estudaria o planeta de cima. Artigo originalmente publicado pela Business Insider.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência