Saiba porque nos apaixonamos

de Julia Moretto 0

Quem nunca se apaixonou, que atire a primeira pedra. Quem não gosta de sentir atração e admiração por alguém?

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Esse processo é natural e traz diversos sentimentos e emoções novas, como o coração disparado, as mãos trêmulas e a garganta seca. Mas a questão que não quer calar é: por que nos apaixonamos? E mais: por que temos essa necessidade de encontrar alguém para dividir momentos? O que a Ciência nos explicou até agora é que o amor romântico acontece por diversos fatores, mas o principal é preservar nossa espécie.

 

Segundo um estudo realizado em 1989, algumas características precisam existir para a paixão acontecer. Faça o teste!

 

1 – Semelhanças: podem ser desde crenças até ideologias.

 

2 -Proximidade: normalmente nos apaixonamos por pessoas que vivem próximas de nós. Isso ocorre pois, em um relacionamento, as pessoas querem se ver com mais frequência.

 

3 – Características desejáveis: traços que nos chamam a atenção. Eles podem ser: olhos, cabelos, formato do corpo, entre outros.

 

4 – Reciprocidade: quando o sentimento é recíproco, ele só tende a crescer.

 

5 – Influências sociais: um dos fatores decisivos é encontrar uma pessoa que satisfaça as nossas necessidades sociais e aceite viver ao nosso lado.

 

6 – Outras necessidades: quando a pessoa escolhida supre nossas necessidades sexuais, de companheirismo e de amor, o relacionamento tem mais chances de ocorrer.

 

7 – Fazer coisas incomuns: escolher um ambiente novo para os dois ou realizar tarefas diferentes é uma maneira de despertar o amor romântico.

 

8 – Passar um tempo sem mais ninguém por perto: essa é uma das melhores formas de deixar o amor acontecer. Acredite no casal.

 

9 – Mistério: não saber a reação de uma pessoa e todos os seus gostos é uma questão que excita pessoas apaixonadas.

 

Essa lista foi criada com base nos relatos de estudantes universitários que contaram suas experiências amorosas. As questões mais evidenciadas foram as características desejáveis e a reciprocidade. O estudo também mostrou que entrar em um relacionamento faz com que alguns aspectos da nossa autonomia sejam deixados de lado. Quando a outra pessoa possui caraterísticas desejáveis e admiráveis, a presença dela pode ser vista como uma expansão da nossa personalidade e não como perda de liberdade.

 

Um estudo neurológico realizado em 2007 confirmou algumas descobertas psicológicas feitas em 1980. A pesquisa mostrou que pessoas apaixonadas possuem níveis mais baixos de serotonina – substância responsável para sensação de satisfação, ou seja, em termos químicos, o amor nos deixa com uma espécie de TOC. É por esse motivo que fatores como excitação e mistério, quando relacionados ao amor, nos deixam ansiosos, com altos níveis de adrenalina.

 

Por outro lado, quando estamos perto de quem gostamos, nosso corpo produz mais dopamina – hormônio responsável pela sensação do prazer. E quando estamos apaixonados, apenas a lembrança da pessoa amada faz com que o nosso cérebro produza a substância.

[ Psychology Today ] [ Fotos: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência