Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Restos de tecido mole podem ter sido encontrados dentro de fóssil de dinossauro que viveu há 195 milhões de anos

de Merelyn Cerqueira 0

Pesquisadores acreditam ter encontrado dentro de um osso de dinossauro morto há 195 milhões de anos restos de tecido mole preservado, de acordo com informações da IFLScience.

 

O achado, publicado pela revista Nature Communications, sugere que as proteínas são capazes de sobreviver pelo menos 100 milhões de anos a mais do que antes se pensava. Se verificada, a descoberta poderia abrir uma janela inteiramente nova para o estudo de animais há muito tempo extintos.

tecido-mole-osso-de-dinossauro_02

O fóssil em questão pertencia a um Lufengosaurus, uma criatura herbívora muito comum no Período Jurássico, que chegava a nove metros de altura. No interior do osso, pertencente a uma das costelas, os pesquisadores encontraram vestígios de colágeno, uma proteína estrutural localizada na pele e tecido conjuntivo, bem como potenciais remanescentes de sangue.

 

A pesquisa analisou a composição química do possível tecido mole no osso utilizando espectroscopia infravermelha. O material, que absorveu a luz infravermelha em comprimentos de onda, mostrou ser correspondente ao colágeno e rico em ferro, o que poderia significar a presença de sangue.

tecido-mole-osso-de-dinossauro_03

Embora possam ser considerados emocionantes, os resultados não são conclusivos. No entanto, agora será possível construirmos árvores evolutivas de animais há muito tempo extintos, como mamíferos e outros dinossauros, com base em suas anatomias e evidências moleculares. A descoberta foi considerada um avanço extraordinário no campo da Paleontologia, embora a possibilidade de clonagem ainda esteja fora de alcance.

[ IFL Science ] [ Fotos: Reprodução / IFL Science ]

Jornal Ciência