Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Cientistas encontram cogumelo fossilizado mais antigo do mundo no Nordeste do Brasil

de Merelyn Cerqueira 0

O cogumelo fossilizado mais antigo do mundo, datado de 115 milhões de anos atrás, foi encontrado em uma camada de calcário no Nordeste do Brasil.

A descoberta foi classificada como uma “maravilha científica”, e traduz um acontecimento que começou no momento em que supercontinente Gondwana estava se fragmentando. Com informações do Daily Mail.

Durante este importante período de transição, o cogumelo, nomeado como Gondwanagaricites magnificus, de apenas cinco centímetros de altura, acabou caindo em um rio, onde começaria sua jornada para se tornar um fóssil.

Quando chegou a uma lagoa altamente salina, afundou através de camadas de água salgada e foi coberto por sedimentos, eventualmente se tornando um fóssil.

cientistas-encontram-fossil_1

Uma vez mineralizado pelo tempo, ele foi encontrado na Chapada do Araripe, um sítio arqueológico no Nordeste do Brasil, localizado entre as divisas do Ceará, Piauí e Pernambuco, preservado sob uma camada de calcário chamada formação Crato, uma subdivisão da Formação Santana.

Durante o processo de fossilização, os tecidos do G. magnificus foram substituídos por pirita – também conhecida como ouro de tolo. Mais tarde se transformou em um mineral amarelado e avermelhado, chamado goethita.

cientistas-encontram-fossil_2

“A maioria dos cogumelos crescem e desapareceram dentro de alguns dias”, disse o paleontólogo do Illinois Natural History Survey (INHS), Dr. Sam Heads, que descobriu o cogumelo ao digitalizar uma coleção de fósseis da formação Crato do Brasil.

“O fato de que este cogumelo foi preservado é simplesmente surpreendente”, afirmou. “Quando você pensa sobre isso, as chances de esta coisa estar aqui – considerando os obstáculos que teve que superar para chegar à lagoa, ser mineralizado e preservado por 115 milhões de anos – são minúsculas”.

Por meio de microscopia eletrônica os pesquisadores descobriram a presença de brânquias no tecido. Estas são estruturas que liberam esporos e podem ajudar na identificação das espécies. Logo, o cogumelo em questão pode ser colocado na ordem Agaricales.

“Os fungos evoluíram antes das plantas terrestres e são responsáveis ​​pela transição das plantas de um ambiente aquático para um ambiente terrestre”, disse o micologista, Andrew Miller, coautor do estudo.

“Os fungos transportaram água e nutrientes para as plantas terrestres, o que permitiu a estas se adaptarem a um solo seco e com nutrientes pobres”, explicou. “E as plantas também aprenderam a se alimentar de açúcares nos fungos através da fotossíntese. Esta associação ainda existe hoje”.

Antes desta descoberta, o fóssil de cogumelo mais antigos do mundo foi encontrado preservado em resina fossilizada, de cor âmbar, produzida por árvores extinta. Já o segundo fóssil de cogumelo mais antigo, datado de cerca de 99 milhões de anos atrás, também foi encontrado preservado no âmbar, no Sudeste Asiático, de acordo com Dr. Miller.

“Eles foram envoltos por uma resina pegajosa de árvore e preservados à medida que a resina fossilizava, formando o âmbar”, completou Dr. Heads. “Este é um cenário muito mais provável para a preservação de um cogumelo, já que a resina que cai de uma árvore diretamente para o chão da floresta pode facilmente preservar espécimes”.

“Esse certamente parece ter sido o caso, dado o registro de fósseis de cogumelos até o momento”, concluiu.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência