Cientistas ainda discutem para classificar esta criatura do mar

de Julia Moretto 0

No ano passado, cientistas disseram que um mistério de décadas foi resolvido. A monstruosidade que você vê na imagem acima desafiou a classificação dos animais há anos, mas dois estudos separados disseram ter concluído que o ser era de fato um vertebrado.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Porém, mais recentemente outros pesquisadores entraram na briga e disseram que esta conclusão é errada, pois não há possibilidade de o animal ser um peixe. Apelidado de “Tully”, a criatura pertence ao antigo gênero Tullimonstrum e parece ter habitado as águas costeiras rasas de estuários enlameados no leste dos EUA há 300 milhões de anos.

cientistas-nao-conseguem_1

Apenas uma espécie, T. gregarium, é conhecida e os fósseis da criatura só foram encontrados nas camas fósseis de Mazon Creek, em Illinois. Mas eles eram claramente abundantes na região. Centenas de fósseis acabaram no Field Museum em Chicago após a descoberta inicial das espécies na década de 1950.

 

Descoberto pela primeira vez em 1955 pelo coletor amador Francis Tully, a criatura desencadeou uma investigação de décadas sobre o que este bizarro conglomerado de recursos poderia realmente representar. Eu soube imediatamente que eu nunca tinha visto nada parecido“, disse Tully alguns anos após a descoberta, acrescentando que depois de consultar vários especialistas sobre o assunto, não podia atribuí-lo a qualquer um dos principais grupos de animais.

 

Os pesquisadores haviam assumido durante muitos anos que se tratava de algum tipo de molusco, como um pepino-do-mar ou um artrópode semelhante a uma lagosta, porém dois documentos publicados em março de 2016 evidenciaram algo diferente. Uma equipe da Universidade de Yale, liderada pela paleobióloga Victoria McCoy, afirmou que a linha de luz que percorre todo o meio da criatura não era um intestino, como uma pesquisa anterior havia sugerido, mas uma notocorda.

 

Como Ed Yong explicou para The Atlantic no ano passado, a notocorda é uma característica fundamental de cordados – um vasto grupo de animais vertebrados que inclui peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. A equipe também encontrou evidências de bolsas de brânquia em alguns dos cerca de 1.200 exemplares analisados, o que os fez parecer mais com peixes do que estudos anteriores sugeriram.

 

Eles disseram que esse recurso provavelmente foi perdido por outros pesquisadores porque, por alguma razão, essas criaturas tendiam a morrer em suas frentes e costas, e não em seus lados. Um segundo estudo liderado por pesquisadores da Universidade de Leicester no Reino Unido também chegou à conclusão de que o monstro era um vertebrado, após uma microscopia eletrônica de varredura (SEM) de seus olhos revelarem estruturas chamadas melanossomas.

 

A equipe argumentou que isso significava que a criatura tinha olhos complexos, e disse que isso tornava mais provável que fosse vertebrada.  Mas agora Lauren Sallan da Universidade da Pensilvânia e seus colegas dizem que realmente tem tudo errado. É importante incorporar todas as linhas de evidência ao considerar fósseis enigmáticos: anatômicos, preservativos e comparativos“, disse um membro da equipe, Sam Giles da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

 

Os pesquisadores argumentam que as conclusões da equipe de Yale são baseadas em um mal-entendido de como as criaturas se fossilizam no fundo do oceano – geralmente você vê tecidos moles preservados e não estruturas internas como uma notocorda. Nas rochas marinhas você só vê tecidos moles, você não vê muita estrutura interna preservada“, diz Sallan.

 

A equipe também argumenta que ter melanossomas em seus olhos – estruturas que produzem e armazenam melanina – não é evidência suficiente para caracterizar Tully como vertebrado, porque muitas espécies evoluíram ao ponto de terem olhos complexos.Desta vez, os pesquisadores têm mais perguntas do que respostas, porque enquanto estão certos de que Tully não é um vertebrado, não estão prontos para categorizar o ser.  Ter este tipo de descoberta afeta nossa compreensão da evolução e diversidade dos vertebrados“, diz Sallan. O estudo foi publicado em Palaeontology.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência