Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

‘O Anjo de Nanjing’ – homem dedica sua vida a prevenir suicídios

de Merelyn Cerqueira 0

A ponte do rio Yangtze, em Nanjing, na China, é um dos pontos de suicídio mais populares do mundo, mas também o lugar onde um único homem, chamado Chen Si, nos últimos 13 anos, gastou todos seus finais de semana e feriados tentando convencer pessoas a não a se matarem. De acordo com informações da Oddity Central, até o momento, ele foi capaz de salvar mais 300 vidas.

Chen Si contou que ele apenas se aproxima e conversa com as pessoas no momento em que se preparam para saltar da ponte, contando saber exatamente como se sentem. Muitos sequer são moradores de Nanjing, mas sim trabalhadores que vivem longe de casa. E Chen já foi exatamente como eles: um migrante desapontado com a vida, vivendo longe de seus familiares. No entanto, ele acabou conhecendo um homem velho que lhe ofereceu conselhos otimistas e o ajudou a olhar para vida de uma forma mais positiva.

anjo-de-nankin_02

O velho por outro lado, vivia uma situação diferente. Logo após conhecer Chen, seus filhos começaram a discutir sobre sua herança, ele ficou tão chateado que logo parou de comer e acabou morrendo. Esse trágico acontecimento acabou inspirando Chen a ajudar as “almas perturbadas” a superar dificuldades, convencendo-as de que valia a pena viver.

anjo-de-nankin_03

Ele pensou que, se tivesse conhecido o velho mais cedo, também poderia tê-lo convencido disso. “O que poderia ser mais importante do que a própria vida?”, questionou. Assim, todos os finais de semana, desde 2003, Chen Si viaja cerca de 25 quilômetros de sua casa até a ponte, patrulhando-a por horas a pé ou em uma motocicleta, em busca de pessoas que possam estar considerando saltar no rio. Explicando seu método, ele disse prestar uma atenção especial aos solitários que olham mais atentamente para as águas enlameadas abaixo. Chen contou que se tornou especialista em detectar potenciais suicidas como o tempo. “É muito fácil de reconhecer”, disse. “É uma pessoa que anda sem uma alma”.

O método de intervenção utilizado por ele varia, dependendo de cada uma das situações. Para pessoas que não têm coragem de percorrer o muro e saltar, ele fala suavemente, como um terapeuta, esperando que mudem de opinião. No entanto, Chen pode ficar agressivo se vê que não conseguiu convencer do contrário. Então, ele fica preparado para uma ação mais rápida e decisiva, se necessária.

Apelidado como “O anjo da guarda de Nanjing”, ele já recebeu grande atenção e diversos elogios por sua dedicação voluntária. Contudo, nem todos apreciam sua interferência. O chinês já foi alvo de abusos físico e verbais de pessoas que tentava salvar. Mas, disse não deixar que algumas contusões e cortes o impeçam de salvar o maior número possível de indivíduos.

Ainda, convencer as pessoas a darem uma segunda chance a si mesmas não é seu único trabalho ali. Para se certificar de que elas não voltem à ponte com a mesma finalidade, o homem aluga um apartamento em Nanjing, para que fiquem ali por alguns dias até que “limpem suas mentes” e recebam aconselhamento psicológico. Nas semanas seguintes, ele volta a entrar em contato apenas para se certificar se estão bem ou com problemas financeiros. Se sim, ele entra em contato com os credores e tenta persuadi-los a diminuir o fardo financeiro das vítimas.

Recentemente, fizeram um documentário sobre seu esforço – que já dura 13 anos. Nele, admitiu que não é tão bem-sucedido em salvar vidas quanto gostaria. Mesmo tento salvado mais de 300 pessoas, assistiu cerca de 50 saltaram antes mesmo que pudesse se aproximar – isso sem contar as que se matam no período em que não está lá. Para isso, e na esperança de salvar mais pessoas, deixou seu número de telefone na ponte para que liguem pedindo apoio.

No entanto, desde que ficou famoso, constantemente recebe telefonemas pedindo ajuda de todas as partes do país, mas lamenta não poder ajudar a todos. A nobre dedicação à causa colocou pressão em sua própria vida, incluindo casamento e amigos. Também, contou que após começar a patrulhar a ponte, tornou-se fumante, passou a beber e, por vezes, tem que lutar contra sua própria depressão. Mas ele garante que isso jamais o fará desistir de sua missão, que considera extremamente importante.

[ Oddity Central ] [ Fotos: Reprodução / Oddity Central ]

Jornal Ciência