Mistério sobre a mãe de Leonardo da Vinci foi finalmente resolvido

de Merelyn Cerqueira 0

Historiadores de arte parecem finalmente ter resolvido o mistério da identidade da mãe de Leonardo da Vinci quase cinco séculos após a morte do artista.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A mãe dele, Caterina di Meo Lippi, era uma órfã que, na juventude, após ter engravidado, passou a viver com sua avó em uma casa de fazenda localizada em uma colina remota de Vinci, uma comuna italiana da região da Toscana, Florença, na Itália. 

Há muito que especialistas lutam para descobrir mais sobre a identidade e vida da mãe de Leonardo, com alguns especulando que ela teria sido uma escrava vinda da África ou China. No entanto, novas pesquisas revelam que a verdade estava muito mais próxima.

Leonardo-da-Vinci

Segundo informações de seu novo livro, Martin Kemp, professor emérito de História da Arte na Universidade de Oxford, Caterina era uma garota local, que aos 15 anos ficou grávida de um advogado mais velho, chamado Ser Piero da Vinci, de 25 anos, à época trabalhando em um caso em Florença. 

Segundo Kemp, Ser Pero da Vinci era um homem novo de profissão e encontrou Caterina quando resolveu tirar algumas semanas de folga em 1451. Então, foi necessária apenas “uma boa noite de verão, provavelmente nos campos, para que tudo acontecesse”.

Caterine era uma menina pobre que passava por uma fase muito ruim. Seu pai, Bartolomeo Lippi, desapareceu quando ela ainda era criança.

À época foi levada para morar com a avó, que logo morreu, fazendo com que a menina ficasse soba tutela de um casal de tios. “Ser uma filha de 16 anos com um filho ilegítimo e nenhuma casa para morar pode ter sido tão ruim quanto possível”, disse ele. 

Leonardo nasceu no dia 14 de abril de 1452 e provavelmente foi criado na casa do pai, Ser Piero, segundo arquivos de declarações de impostos que indicavam que havia um filho ilegítimo vivendo ali. Estes documentos sugerem que os fãs da arte de Leonardo, que há anos visitam a Casa Natale, em Anchiano, onde o artista supostamente teria nascido, têm percorrido o caminho errado. 

“Ser Piero estava construindo uma carreira em Florença, então ele não queria um bebê. E seus pais viviam em circunstâncias muito decentes. Ele vinha de famílias de proprietários e notários”, explicou Dr. Kemp.

O avô, por outro lado, parece tê-lo recebido bem. “Quando Leonardo se mudou para Florença, ficou conhecido como Leonardo di Ser Piero da Vinci”. 

Caterina se casou com um fazendeiro local, chamado Antoniodi Piero Buti, enquanto Ser Piero da Vince já havia se casado com outra pessoa. 

A jovem também deu à luz outros cinco filhos (um menino e três meninas). Mais de 40 anos depois, ela foi até Milão para ficar com Leonardo, onde, um ano depois, segundo registros, acabou morrendo.

As descobertas de Kemp foram relatadas em um novo livro, “Mona Lisa: The People and the Painting” (“Mona Lisa: As pessoas e a pintura”, em tradução livre), que escreveu com a ajuda do economista e pesquisador de arte Giuseppe Pallanti.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail 

Jornal Ciência