Existência do Planeta Nove poderia ser um desastre para outros corpos do Sistema Solar, de acordo com especialista

de Merelyn Cerqueira 0

Embora muitos de nós estejamos animados com a perspectiva de existência do Planeta Nove – que hipoteticamente estaria localizado nas periferias do Sistema Solar – um novo estudo sugeriu que ele de fato poderia ser uma má notícia para o resto dos planetas de nosso Sistema, segundo informações da Science Alert.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Segundo cálculos do astrofísico Dimitri Veras, da Universidade de Warwick, no Reino Unido, em um futuro muito distante, quando o Sol estiver próximo da morte, a existência do Planeta Nove poderia representar um perigo para os outros vizinhos estelares – e poderia até mesmo vir a ejetar um ou mais deles para fora do Sistema Solar.

Tal evidência é baseada nos movimentos dos objetos rochosos localizados no Cinturão de Kuiper, na borda do Sistema Solar, que sugere a presença gravitacional de uma enorme massa. Estima-se que o Planeta Nove seja 10 vezes mais maciço e quatro vezes maior do que a Terra, com uma órbita extremamente alongada de 10.000 a 20.000 anos.

Enquanto o caso do Planeta segue como apenas hipotético, há indícios de que sua existência poderá ser comprovada, uma vez que pesquisadores continuam encontrando cada vez mais provas para sustentá-la. A ideia de Veras é que esse gigante maciço, se confirmado, poderá começar a complicar a vida dos outros planetas no momento em que o Sol começar sua transformação em anã branca – algo que poderá ocorrer dentro de 7 bilhões de anos. Seu movimento poderia conflitar com os dos outros planetas.

Isso fará com que o Sol ejete cerca da metade de sua massa e infle. Logo, ele acabaria consumindo Mercúrio, Vênus e também a Terra no processo. Depois, nossa estrela central se desvaneceria em uma anã branca fraca e densa. Acredita-se que, no momento em que o Sol ejetar sua massa, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno serão todos empurrados para longe dele. Mas, como o Planeta Nove estaria localizado a uma longa distância, ele não sofreria danos semelhantes. Ao invés disso, Veras calcula que o Gigante poderia ser arrastado para dentro de uma espécie de “dança da morte” com os planetas recém-posicionados – especialmente Urano e Netuno.

A existência de um planeta massivo distante poderia mudar fundamentalmente o destino do Sistema Solar. Urano e Netuno, particularmente, podem não estar mais a salvo dos estertores do Sol. O destino do Sistema Solar dependerá das propriedades de massa e órbita do Planeta Nove, se ele existir”, explicou Veras.

Contudo, há de considerar que no momento em que o Sol entrar em tal processo de inflação a Terra será exterminada – o que significa que os trajetos cósmicos considerados, em teoria, não nos afetarão. Apesar de toda essa ideia ser fascinante, ainda teremos de esperar até que a existência do Planeta Nove seja confirmada para que possamos nos comprometer com tal cenário.

As conclusões de Veras foram aceitas para publicação da próxima edição da Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, mas você já pode acessá-las online aqui.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência