Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Planeta com órbita de 20.000 anos pode ajudar na descoberta do misterioso “Planeta Nove”

de Merelyn Cerqueira 0

Detectado em 2013 por astrônomos enquanto faziam varreduras no sistema solar exterior, o planeta L91, é pequeno, gelado e tem uma órbita de 20.000 anos.

No entanto, mais recentemente, pesquisadores sugeriram que algo está puxando-o e que o provável motivo seria uma estrela. Porém, há quem afirme que na verdade isso está sendo causado por um planeta invisível, neste caso o Planeta Nove.

planeta-nove_02

Segundo informações do jornal Daily Mail, a descoberta destes pequenos corpos celestes nos confins do Sistema Solar poderia levar os astrônomos a identificarem, o até então indescritível, Planeta Nove. De acordo com a revista Science, a grande órbita elíptica de L91 significa que ele nunca chegará mais perto de nós do que 50 vezes a distância entre a Terra e o Sol (1 Unidade Astronômica), podendo oscilar entre 1,430 UAs.

Os astrônomos acreditam que o caminho de L91, assim como o de seus semelhantes, como o Sedna, pode ser afetado pela força gravitacional de um corpo muito denso que estaria muito além dos oito planetas conhecidos.

Uma equipe de pesquisa da Outer Solar System Origins Survey (OSSOS) acompanhou os pequenos corpos celestes gelados que estão além de Netuno, a fim de estudar suas origens e o porquê das rotas estranhas. Os resultados, que falam que um objeto distante está puxando L91 e resultando no alongamento de sua órbita, foram apresentados recentemente em uma reunião da Divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Astronômica Americana, realizada em Pasadena, na Califórnia.

Enquanto alguns astrônomos acreditam que este poderia ser um efeito da presença do não identificado Planeta Nove, a equipe da OSSOS acredita quem a perturbação pode ser explicada por uma estrela de passagem ou uma enorme massa na Via Láctea. Um crescente corpo de evidências sugere que os planetas do Sistema Solar estejam sendo movidos de suas posições, à deriva ou colidindo com outros corpos, arrastando outros astros menores no processo. Tal processo estabeleceu as órbitas que conhecemos hoje.

Logo, a equipe acredita que L91 teria começado com uma órbita regular, mas, ao longo dos bilhões de anos foi alongada. Essa órbita extrema pode ter sido gradualmente suavizada pela força gravitacional da estrela de passagem, resultando nos 20.000 anos conhecidos hoje. Apesar de plausível, há quem discorde da teoria, alegando que existe uma explicação mais simples. Neste caso, o Planeta Nove, teria, lentamente e ao longo de bilhões de anos, alterado a órbita do pequeno mundo gelado.

planeta-nove_03

O Planeta Nove                                                

Em janeiro de 2016, dois astrônomos da Caltech, na Califórnia, encontraram evidências que sugeriam a existência do Planeta Nove, possivelmente localizado nas bordas exteriores do Sistema Solar. Acredita-se que seja 10 vezes mais massivo do que a Terra, tendo cerca de quatro vezes o seu tamanho, e uma órbita alongada de 10.000 a 20.000 anos.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail / Pixabay / Wikimedia ]

Jornal Ciência