Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Estudo conclui que abraços podem proteger contra estresse, depressão, infecção e gripe

de Merelyn Cerqueira 0

Pesquisadores Universidade Carnegie Mellon, na Pensilvânia (EUA), descobriram que os abraços podem ser tão benéficos quanto manter uma dieta saudável e fazer exercícios físicos, em termos de impulsionar o sistema imunológico do corpo contra uma série de condições, segundo informações da FoxNews.

O estudo, publicado na revista Psychological Science, afirmou que pesquisas anteriores já haviam mostrado que pessoas com conflitos não resolvidos dentro de seus relacionamentos são menos capazes de combater o vírus do resfriado quando comparadas às que recebem maior apoio social.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que os abraços poderiam oferecer esses benefícios de saúde, uma vez que representam uma forma física de apoio.

“Nós testamos se as percepções de apoio social são igualmente eficazes em nos proteger da susceptibilidade induzida pelo estresse à infecção e também se receber abraços poderia parcialmente explicar esses sentimentos de apoio e a proteção contra a infecção”, disse o psicólogo e autor do estudo Sheldon Cohen.

Para o estudo foi avaliado o apoio percebido entre cerca de 400 adultos saudáveis por meio de um questionário.

Os pesquisadores extraíram dados sobre frequência de conflitos interpessoais e abraços por meio de entrevistas telefônicas feitas durante 14 noites consecutivas. Os participantes então foram expostos a um vírus de resfriado comum e monitorados em situação de quarentena para que fossem avaliados.

Os cientistas descobriram que o apoio social percebido reduziu o risco de infecção associado à experiência de conflitos e que os abraços de fato representavam um terço desse efeito protetor. Ainda, e independentemente de um voluntário ter relatado conflito interpessoal, o maior apoio social percebido e os abraços mais frequentes ajudaram a mitigar os sintomas de resfriado.

“Isso sugere que ser abraçado por uma pessoa de confiança pode atuar como um meio eficaz de transmitir apoio e que o aumento da frequência de abraços pode ser um meio eficaz de reduzir os efeitos deletérios do estresse”, disse o pesquisador.

“O aparente efeito protetor de abraços pode ser atribuível ao contato físico em si ou como um indicador comportamental de apoio e intimidade”. “De qualquer maneira, aqueles que recebem mais abraços estão um pouco mais protegidos de infecções”, concluiu.

Fonte: Fox News Fotos: Reprodução / FoxNews

Jornal Ciência