Coreia do Norte é apontada como culpada pelo ataque virtual que devastou o mundo

de Redação Jornal Ciência 0

coreia-do-norte-virus

Normalmente, grupos hackers sempre reivindicam ataques e invasões. Porém com o Ransomware Wanna Crypt (Wanna Cry) está sendo bem diferente. Nessa história existem uma grande dúvida: Quem está por trás deste ataque? De acordo com um pesquisador da Google, a Coreia do Norte.

 

Ainda não existe nada certo, não é o momento de apontas os culpados, mas sim de entender todos os eventos. O fato tem como início diversos pontos frágeis: a Microsoft possui o Windows Update na maioria dos computadores (ferramenta que é colocada como não amigável por alguns usuários), a agência de segurança nacional norte-americana NSA, as empresas por não investirem na área de TI, etc. E na ponta do iceberg, os hackers, que só aproveitaram o gatilho disponível.

coreia-do-norte-virus_1

Seria algum governo o culpado?

No início acreditavam que o Ransomware Wanna Cry havia sido criado na China, mas essas indicações não tinham muito fundamento, assim o pesquisador da Google, Neel Mehta, encontrou evidências que um grupo de hackers da Coreia do Norte está envolvido por trás do ataque que infectou mais de 300 mil computadores em mais de 150 países.

 

Neel encontrou essas evidências enquanto estava no código do Wanna Cry. Ele apontou que viu linhas idênticas dos códigos iguais as usadas no backdoor feito pelo grupo Lazarus.

 

Acredita-se que o Lazarus Group é um grupo hacker patrocinado pelo governo Norte Coreano. Eles foram simplesmente os responsáveis por um ataque a Sony Pictures que custou muito dinheiro a empresa. O grupo também é indicado como culpado por roubar mais de US$ 80 milhões de dólares de um banco em Bangladesh , em 2016.

coreia-do-norte-virus_2 WannaCry 2.0

O Ransomware Wanna Crypt também conhecido como Wanna Cry começou a desacelerar o número de infecções, mas continua atingindo novas máquinas. Enquanto isso a nova versão dele, melhorada e atualizada, já está chegando na esquina e promete ser bem mais destrutiva que a primeira.

[ Tec Mundo ] [ Fotos: Reprodução / Tec Mundo ]