Um vazio inexplicável parece estar empurrando a Via Láctea

de Julia Moretto 0

Você não pode sentir isso, mas nosso Planeta está orbitando o Sol a uma velocidade de cerca de 100 mil quilômetros por a hora.

 

Além disso, algo está fazendo com que a nossa galáxia se movimente pelo Universo a mais de 2 milhões km/h, ou seja, 630 km por segundo. Agora os cientistas podem ter finalmente descoberto o porquê. Diante de nós, há um superaglomerado de galáxias a cerca de 650 milhões de anos-luz de distância chamado de Concentração de Shapley, que está nos puxando para perto. Atrás de nós, cientistas encontraram evidências de uma região do espaço até então desconhecida inteiramente desprovida de galáxias, que está nos afastando com força incrível.

vazio-via-lactea_01

O cosmólogo Yehuda Hoffman da Universidade Hebraica em Israel e sua equipe construíram um novo mapa 3D de nossas galáxias mais próximas. Nela, revelaram a misteriosa “zona morta” pela primeira vez, e a apelidaram de Dipole Repeller (“Repelente Dipolar”). Pelo mapeamento 3D do fluxo de galáxias, descobrimos que nossa Via Láctea está acelerando para longe de uma grande região, anteriormente não identificada, de baixa densidade. Por ele repelir ao em vez de atrair, nós chamamos esta região do Dipole Repeller”, explica Hoffman.

 

Além de sermos puxado para a conhecida Shapley Concentration, também estamos sendo empurrados para longe do recém-descoberto Dipole Repeller. Portanto, tornou-se evidente que empurrar e puxar são de importância comparável em nossa localização”, completou. No passado, os pesquisadores sugeriram que uma região de baixa densidade de espaço poderia estar escondida atrás de nossa galáxia, porque apesar da Concentração de Shapley ser incrivelmente maciça, não podemos explicar as velocidades a que a Via Láctea está viajando.

vazio-via-lactea_02

 

A Concentração de Shapley é a maior concentração conhecida de matéria no Universo local – uma região do espaço que é aproximadamente 1 bilhão de anos-luz de raio. O único problema é que nós não podemos detectar um planeta a 4,25 anos-luz de distância e muito menos encontrar algo que está a milhões de anos-luz de distância.

 

Hoffman e sua equipe descobriram como medidas de mais de 8.000 galáxias próximas, tomadas de uma série de observatórios, incluindo o Telescópio Espacial Hubble, se encaixam em nosso bairro cósmico. Esses movimentos nos dão a primeira evidência real do grande Dipolo RepellerCuriosamente, de acordo com dados da radiação cósmica de fundo – o “arrebol” do Big Bang – aparentemente, somos puxados e empurrados por forças iguais.

 

A pesquisa foi publicada na Nature Astronomy.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
error: Proibida a cópia sem autorização.