TOP 4 coisas que parecem comuns, mas que talvez seu cachorro não goste

de Gustavo Teixera 0

Uma má notícia: seu cão não gosta de ser abraçado. Isso não é absoluto, afinal cada cão é único.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Mas as chances são grandes, e isso é apenas a superfície de muitos equívocos que muitas vezes se atribui aos cachorros. 

A especialista na relação com cachorros e autora de muitos livros sobre esse tema, Alexandra Horowitz, contou mais alguns equívocos comuns que se faz ao cuidar de seu cãozinho. Confira

coisas-que-seu-cachorro_1

1 – Os cães provavelmente não gostam de ser abraçados.

“Um monte de profissionais concordaria que abraçar um cão não é ideal. Eu nunca vi um cachorro que quando você os abraça, eles se levantam e balançam a cauda e eles estão fixam tão excitados. Eles fazem outra coisa: eles lidam com isso”, disse.

“A razão pela qual dizemos que eles não gostam de ser abraçados é por causa do que eles parecem quando você está abraçando-os”, Horowitz disse. 

“Eles põem as orelhas para trás, lambem os lábios ou eles bocejam, que é outro comportamento de stress, ou eles se movem para fugir. Eles mostram um comportamento que é como “isso é desconfortável”, completou.

2 – Os cães apreendem o mundo principalmente através do cheiro, não da visão.

O focinho adorável de um filhote de cachorro não é apenas enfeite. Os cães “veem” o mundo com seu nariz. 

“Supomos que a percepção dos animais não humanos seria semelhante à nossa, porém, mais simples”, disse Horowitz.

Mas esse não é o caso. Em vez disso, os cães veem o mundo através de cheiros. “Eles podem olhar para alguém com os olhos – quando você se aproxima, eles olham para você. Mas depois de perceberem que há algo com os olhos, eles usam o cheiro para dizer que é você”, disse Horowitz.

Isso é crucial para entender como os cães veem o mundo. Você pode sentir o cheiro de algo delicioso e olhar ao redor para localizar a fonte desse cheiro. 

Para os cães, o oposto é verdadeiro. Ou, como disse Horowitz: “Nós sentimos o cheiro de algo, e então quando o vemos, nós fazemos, ‘Ah, sim, é isso. Eram pãezinhos’. E os cães, quando te veem dizem: ‘OK, isso é algo para explorar, vou cheirar”.

3 – O olhar de “culpa” é de medo.

Seu cão foi deixado sozinho e fez algo que não deveria fazer, mas seu rosto culpado diz tudo. Talvez você já esteja dizendo “Não! Cão ruim! Cão ruim!” Ou alguma variação disso. 

Um estudo de 2009 de Horowitz mostrou que as pessoas tendem a atribuir erroneamente as emoções do cão às emoções humanas. O olhar “culpado” é um excelente exemplo disso.

“Eu olho para um cachorro que está com o olhar de culpa e ele se sente culpado para mim. Estamos meio preparados para vê-los dessa maneira, então não é culpa de ninguém”, Horowitz disse.

“Parece improvável que eles tenham os mesmos tipos de pensamento sobre o que fazemos, por causa de seus cérebros realmente diferentes, mas na maioria dos casos, os cérebros dos cães são mais semelhantes aos nossos do que diferentes”, completou.

“Quando você adota seu cão, e de repente você está vivendo com um cão, dentro de uma semana temos opiniões sobre a personalidade do cão, o que eles são como e o que eles estão pensando. É uma maneira de tentar prever o que vai acontecer a um organismo que nós realmente não sabemos”, disse Horowitz.

4 – Os cães não precisam ser “dominados”.

Quando não olhamos para cães como quase humanos, os consideramos lobos. E embora o cão seja um parente de lobos, é um parente muito distante.

“É complicado. Você pode olhar para o comportamento do lobo para tentar obter algumas informações sobre o comportamento do cachorro. Eles só divergiram muito recentemente no tempo evolutivo então você pode olhar para eles, mas os lobos também têm evoluído independentemente dos Cães”, Horowitz disse.

Existem alguns casos em que essa evolução divergente aponta para resultados obviamente diferentes, por exemplo, o conceito de hierarquia de dominância, que incentiva os proprietários de cães a estabelecer a dominação como um meio de obediência.

“Já que os cães não têm mais um território que a defender e comida a caçar, a explicação ou descrição da hierarquia já não funciona para eles”, disse Horowitz. “Mesmo na natureza não é o caso geral – parece ser com um bando de lobos machos adolescentes em pequeno recinto e cativos, então formam uma hierarquia de dominância.”, completou.

Como muitos outros animais, os lobos tendem a formar unidades familiares normais. “Há quem tome a dianteira e aqueles que seguem, mas não é dessa forma em tudo,” Horowitz disse. “Isso não faz sentido para os cães, mas tem sido bastante prevalente na abordagem de alguns treinadores nos últimos 50 anos”, completou.

“Penso nisso quando penso em vestir um cachorro com um casaco de chuva e no que isso pode significar para o cão”, disse Horowitz. “Lembro-me do comportamento do lobo quando eles estão próximos de punir ou repreender outro lobo, eles vão meio que ficar sobre o outro lobo, literalmente ficar sobre eles, tendo uma postura fisicamente superior e tornando-os inferiores. Eles pressionam as costas do lobo que está debaixo. E eu me pergunto se usar uma roupa apertada seria como, ‘Oh, há algum tipo de animal dominante me repreendendo, completou.

Mas isso é conjectura, intencionalmente usada para provar um ponto. É crucial entender que quando se trata da percepção sobre cães e quão semelhantes eles são para lobos, o conhecimento humano é limitado.

“Eu me pergunto se isso ajuda a explicar porque você vê muitos cachorros congelarem no lugar quando você coloca um casaco sobre eles. Eu acho que é útil invocar lobos, mas você tem que ter cuidado com isso.” Horowitz disse.

“Temos uma ciência para testar isso, e queremos saber. Então, por que não testamos isso?”, completou. Muitos dos equívocos sobre cães são baseados na percepção do mundo em que vivemos.

“Eu só quero que percebamos que há duas maneiras de olhar para ele”, disse ela.

“Muitas coisas que achamos que nossos cães gostam, muitas declarações que fazemos sobre a vida mental do nosso cão, são assim: ‘Oh, eles realmente gostam de sua camisola. Eles adoram esta camisola que eu fiz para eles. “Eles gostam deste traje de Halloween que eu estou colocando sobre eles. Eles estão me guardando rancor porque eu fiquei fora até tarde. Ela fez xixi no corredor porque eu estava fora ontem e ela está guardando rancor”, completou.

“Todos esses tipos de coisas são a mesma categoria de antropomorfismos”, disse Horowitz. “Apenas pensamentos não examinados que nós temos”, finalizou.

Fonte: IFL Science Fotos: Reprodução / IFL Science

Jornal Ciência