Cachorro quase morre após ter pelos pintados com tintura de uso humano

de Merelyn Cerqueira 0

Uma cadela chamada Violet foi resgatada entre a vida e a morte por um grupo de ativistas em Pinellas County, na Flórida (EUA).

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O animal foi encontrado magro, apático e com a pelagem tingida de roxo. Seus olhos estavam inchados e ela apresentava marcas de queimaduras na pele, possivelmente uma reação à tintura de uso humano utilizada.

O caso foi detalhado pelo grupo, Pinellas County Animal Services (PCAS), em sua página oficial no Facebook, segundo informações da LiveScience.

cao-com-os-pelos-tingidos_1

Violet primeiramente foi tratada com fluidos e medicação para dor. Depois, os ativistas lavaram o que puderam da tinta que estava em seus pelos. Mas, por não conseguirem removê-la completamente, submeteram o animal à anestesia e, em seguida, o tosaram.

cao-com-os-pelos-tingidos_2

No entanto, à medida que cortaram os pelos, viram que a pele da cachorra estava saindo. “Foi muito pior do que imaginávamos”, afirmaram eles no post.

cao-com-os-pelos-tingidos_3

Segundo o PCAS, as tintas para uso humano contêm substâncias químicas tóxicas e, portanto, nunca devem ser utilizadas em cães ou outros animais de estimação.

Tais químicos (que podem incluir água oxigenada e agentes oxidantes) podem causar uma série de lesões externas nos animais, incluindo queimaduras e cegueira.

Além disso, se eles lamberem a pele, é possível que sofram queimaduras internas ou envenenamento.

cao-com-os-pelos-tingidos_4

“Use apenas produtos especificamente desenvolvidos para animais de estimação, ou você poderá colocar a vida de seu pet em risco”, advertiram.

Violet precisou de três meses de tratamento, que incluíram a administração de antibióticos, fluidos intravenosos, tratamentos à base de mel, remoção de cicatrizes e muitas trocas de curativos, para voltar a andar e latir. 

Contudo, a equipe ainda está preocupada de que ela possa sofrer novas complicações, como cegueira ou infecção permanente.

De acordo com a PCAS, ela foi adotada por um especialista em embelezamento animal.

Fonte: Live Science Fotos: Reprodução / Live Science

Jornal Ciência