Homem perde as duas pernas e precisa ficar em coma induzido após ser arranhado por seu cão

de Merelyn Cerqueira 0

Barry Wallace, 48 anos, de Nottingham Homem perde as duas pernas e precisa ficar em coma induzido após ser arranhado por seu cão, Inglaterra, foi levado ao pronto-socorro após desenvolver febre e escurecimento dos pés e nariz pouco tempo depois de ser arranhado no braço pelo cachorro da família.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Wallace acabou desenvolvendo septicemia, uma infecção generalizada que pode levar a falência múltipla dos órgãos. O cão, por outro lado, foi entregue a um abrigo de animais para ser adotado por uma nova família, de acordo com informações do Daily Mail.

Durante o incidente, que ocorreu em agosto de 2015, Barry, que é pai de quatro filhos, não considerou que o Staffordshire Bull Terrier de sua mãe, apelidado como Harley, poderia ser a causa do problema.

O animal teria pulado nele como um gesto de carinho, para cumprimentá-lo, causando-lhe um arranhão “do tamanho de um corte de papel” em seu braço direito.

homem-arranhadura-cachorro

“Harley tinha sido o cachorro da minha mãe por cinco anos”, contou. “Ele era muito brincalhão e estava entusiasmado por me ver, porque eu costumava levá-lo para passear. Ele saltou e arranhou meu braço com os dentes. Era apenas uma pequena mordida, do tamanho de uma unha. Tirou sangue, mas era tão pequena que nem me importei. Ele estava animado em me ver”.

Então, depois de passar algumas horas com a mãe, Barry voltou para casa ao encontro de sua namorada, Naomi Watt. No entanto, na mesma noite começou a sentir os primeiros sintomas da infecção.

homem-arranhadura-cachorro_1

“Nós pensávamos que ele tinha comido algo estranho, ou estava com virose. Então ele foi se deitar”, contou Naomi. “Mas, no dia seguinte, ele piorou e sentia-se completamente doente. Eu comecei a entrar em pânico”.

Então, após ligar para emergência, cerca de 23 horas depois de ter sido mordido pelo cachorro, Barry foi levado a um hospital local. “Seus pés e parte do nariz e as orelhas estavam ficando pretos, então ele foi levado para a unidade de terapia intensiva”, contou Naomi. “Os médicos não tinham ideia do que estava acontecendo com ele”.

homem-arranhadura-cachorro_2

No dia seguinte, Barry foi transferido para um hospital maior para receber cuidados especializados uma vez que seus rins começaram a falhar. Logo, foi colocado em coma induzido. “Eu pensei que ele fosse morrer”, disse Naomi. “Suas pernas ficaram completamente escurecidas e parte de seus braços também”.

Mais tarde, os médicos informaram à família que Barry havia contraído uma bactéria chamada Capnocytophaga, conhecida por viver na saliva de cães e gatos e por ter pouca capacidade de causar problemas em indivíduos saudáveis, apenas em pessoas com condições pré-existentes. Ela é contraída por seres humanos por meio de mordidas, arranhões ou contato próximo com o animal infectado.

Os sintomas da infecção geralmente aparecem oito dias depois, variando entre algo semelhante a uma gripe ou septicemia.

homem-arranhadura-cachorro_4

A sepse (abreviação de septicemia), por outro lado, é uma resposta exagerada do organismo a uma infecção, quando este começa atacar os próprios tecidos e órgãos do corpo. Embora seja mortal, quanto mais rápida for diagnosticada, maiores são as chances de sobrevivência. Barry saiu do coma seis semanas depois, logo após ter passado por uma cirurgia para amputação de ambos os pés. 

“Ele não podia acreditar no que tinha acontecido quando acordou”, disse Naomi, acrescentando que o namorado ficou decepcionado por ser condicionado a uma cadeira de rodas.

homem-arranhadura-cachorro_5

Wendy por outro lado, mãe da vítima e dona do cachorro, afirmando estar devastada com o que aconteceu, levou o cachorro a um abrigo para ser adotado. “Eu sei que não foi culpa do cão, mas é uma dessas coisas que acontece e muda tudo”, disse Naomi. “Não foi uma mordida forte, mas acabou com nossas vidas e deixou tudo de cabeça para baixo”.

Em janeiro de 2018, Barry passará por uma nova cirurgia para amputar mais um pedaço de ambas as pernas para que possa utilizar próteses.

“Antes de tudo isso, eu trabalhava todos os dias e tinha uma vida normal”, disse ele. “Agora não posso andar e tudo está arruinado. Se não fosse por Naomi e meus filhos, já estaria morto. Eles foram muito solidários e não poderia ter passado por tudo isso sem eles”.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência