Por que beber café nem sempre faz você acordar?

Letargia, açúcar elevado no sangue e desidratação explicam em parte os efeitos paradoxais do café nos níveis de energia

de Redação Jornal Ciência 0

A cafeína, principal ingrediente ativo do café, tem uma reputação bem justificada de ser um estimulante de energia. Mas a cafeína também é uma droga, o que significa que pode afetar cada um de nós de maneira diferente, dependendo de nossos hábitos de beber e de nossos genes.

“Em quantidades moderadas, o café — bebida que contém cafeína — estimula o sistema nervoso central, ajuda a reduzir a fadiga, aumenta o estado de alerta e a concentração. Além disso, tem propriedades antioxidantes e protege nosso coração”, explicou a nutricionista Romina Pereiro em entrevista ao portal Infobae.

“O paradoxo da cafeína é que, no curto prazo, ajuda na atenção e no estado de alerta. Ajuda em algumas tarefas cognitivas e nos níveis de energia”, disse Mark Stein, professor do Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento da Universidade de Washington, em entrevista ao The New York Times, que estuda o impacto da cafeína em pessoas com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). “Mas o efeito cumulativo, ou o impacto de longo prazo, tem o efeito oposto”, disse.

Parte dos efeitos paradoxais da cafeína são o resultado de seus efeitos sobre o que os pesquisadores chamam de “pressão do sono”, que alimenta o sono que sentimos à medida que o dia avança. A partir do momento em que acordamos, nosso corpo tem um relógio biológico que nos avisa para voltar a dormir no final do dia.

Seth Blackshaw, neurocientista da Universidade Johns Hopkins que estuda o sono, disse que os pesquisadores ainda estão aprendendo sobre como a pressão do sono se acumula no corpo, mas que ao longo do dia nossas células e tecidos usam e queimam energia através de uma molécula chamada Trifosfato de Adenosina ou simplesmente ATP.

À medida que o ATP é gasto, porque pensamos, nos exercitamos, realizamos tarefas ou simplesmente estamos parados, nossas células geram uma substância química chamada adenosina como subproduto. Essa adenosina se liga a receptores no cérebro, fazendo com que nos sintamos mais sonolentos.

Quimicamente, a cafeína parece suficientemente semelhante à adenosina em nível molecular que ocupa esses locais de ligação, evitando que a adenosina se ligue a esses receptores cerebrais. Como resultado, a cafeína atua suprimindo temporariamente a pressão do sono, fazendo com que fiquemos mais acordados. Enquanto isso, a adenosina continua a se acumular no corpo.

“Uma vez que o efeito da cafeína passa, você atinge um nível muito alto de pressão do sono e tem que trazê-lo de volta”, disse o neurocientista Blackshaw. De fato, a única maneira de aliviar e restaurar um nível elevado de pressão do sono é dormindo.

Além disso, quanto mais bebemos cafeína, mais desenvolvemos a tolerância de nosso corpo a ela. Nosso fígado se adapta produzindo proteínas que quebram a cafeína mais rapidamente, e os receptores de adenosina em nosso cérebro se multiplicam, de modo que podem permanecer sensíveis aos níveis de adenosina para regular nosso ciclo de sono.

“Em última instância, o consumo contínuo ou aumentado de cafeína tem um impacto negativo no sono, o que também nos deixará mais cansados”, afirmou Stein, professor de psiquiatria. E acrescentou: “Se uma pessoa está dormindo menos e estressada, e depende da cafeína para melhorar esses fatores, é apenas uma tempestade perfeita para uma solução de curto prazo que só vai piorar as coisas a longo prazo”.

Como se isso não bastasse, a cafeína também pode causar picos de açúcar no sangue ou levar à desidratação, o que pode nos deixar mais cansados, de acordo com Christina Pierpaoli Parker, pesquisadora clínica que estuda o sono na Universidade do Alabama.

Especialistas alertam que a solução pode ser consumir menos café por dia. “Não beba todos os dias. Idealmente, beber café deve ser divertido e útil, e realmente nos dar um impulso quando precisamos”, disse Blackshaw.

Entretanto, se você sentir que a cafeína não está mais lhe dando energia, os especialistas recomendam tirar uma soneca, fazer exercícios ou sentar-se ao ar livre sob luz natural — o que pode nos ajudar a recarregar energia, naturalmente.

“Monitore seu sono e certifique-se de dormir bem. Sono adequado e atividade física são as intervenções de primeira linha para problemas de atenção e sonolência. A cafeína é um complemento útil, mas não devemos ficar dependentes dela”, concluiu Stein.

Fonte(s): Infobae Imagens: Reprodução / Mundo da Nutrição

Jornal Ciência