Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

A privação do sono faz o cérebro entrar em sobrecarga e “se comer”

de Julia Moretto 0

Um novo estudo sugere que a privação crônica do sono pode fazer com que o cérebro se “coma” já que as células que digerem os detritos celulares entram em “overdrive”.

Como sabemos, o sono é crucial para o bom funcionamento do cérebro. Enquanto dormimos, os subprodutos tóxicos do dia são limpos.

Parte dessa equipe de limpeza são células de micróglia, cujo trabalho é ingerir resíduos do sistema nervoso, engolindo os detritos celulares de células desgastadas e mortas.

Outros trabalhadores, os astrócitos, são os multijetores do cérebro, que desempenham uma série de funções, como a poda de sinapses desnecessárias que reafirma o cérebro.

No estudo, publicado no Journal of Neuroscience, a equipe testou quatro grupos de ratos: os primeiros foram autorizados a dormir o tempo que quisessem, o segundo foi despertado periodicamente, o terceiro ficou acordado por mais de oito horas, e o quarto ficava privado de sono por cinco dias seguidos.

Nos ratos bem descansados, os astrócitos estavam ativos em 6% das sinapses, enquanto que o grupo de oito horas apresentou 8% de atividade de astrócitos.

O grupo que ficou cinco dias acordado apresentou 13,5%. Essencialmente, este sistema entra em excesso em cérebros privados de sono.

“Mostramos pela primeira vez que partes de sinapses são literalmente consumidas por astrócitos devido à perda de sono”, disse a neurocientista Michele Bellesi, da Universidade Politécnica de Marche.

No entanto, a equipe não especificou se esta atividade é prejudicial ou útil durante a perda direta do sono.

A descoberta que foi mais intrigante, preocupante e que necessitou de acompanhamento foi a atividade da micróglia. Eles também eram mais ativos, mas apenas após a perda crônica do sono – uma ativação sustentada previamente ligada à doença de Alzheimer e a outras formas de neurodegeneração.

“A perda crônica do sono ativa as células da micróglia e promove sua atividade fagocítica [resíduos digestíveis], aparentemente sem sinais abertos de neuroinflamação, sugerindo que a interrupção prolongada do sono pode estimular a micróglia e talvez predispor o cérebro a outras formas de desgaste”, escreveram os autores.

O cérebro está constantemente criando, fortalecendo e desconstruindo um difícil labirinto de passagens em nosso cérebro. É um projeto sem fim em que algumas estruturas biológicas são construídas e outras ficam quebradas.

Trabalhos adicionais ajudarão a esclarecer se essa atividade de astrócitos e ativação de micróglia protegem ou atrapalham o cérebro em tempos de angústia.

Fonte: IFL Science Foto: Reprodução / IFL Science

Jornal Ciência