Os 9 fatores a serem considerados para prevenir a doença de Alzheimer

De acordo com um estudo publicado no The Lancet por uma comissão de especialistas, na América Latina o risco de demências como o Alzheimer pode ser reduzido em 56% se os fatores de risco forem controlados

de Redação Jornal Ciência 0

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência. Manifesta-se com a perda progressiva de memória e outras habilidades cognitivas que interferem na vida diária. Embora se desenvolva mais em pessoas acima dos 65 anos, também pode afetar pessoas mais jovens.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Com o avanço das pesquisas científicas, sabe-se agora que na América Latina o risco de demências como o Alzheimer pode ser reduzido em 56% se 9 fatores forem controlados para sua prevenção.

Hoje, 21 de setembro, é o Dia Mundial do Alzheimer. Através da análise de diversos estudos, uma comissão de especialistas promovida pela revista The Lancet determinou quais são os fatores que ajudam a prevenir as demências, incluindo a doença de Alzheimer. Para a região da América Latina, identificaram 9 chaves que devem ser levadas em consideração desde a infância, pois o acesso à educação é o primeiro fator que ajuda a reduzir o risco de sofrer do transtorno na vida adulta.

A doença de Alzheimer afeta a memória, o pensamento, a orientação, a compreensão, a capacidade de aprendizagem, a linguagem e o julgamento. O comprometimento da função cognitiva é frequentemente presente, e às vezes precedido pelo comprometimento do controle emocional, do comportamento social ou da motivação.

Em 1901, o psiquiatra alemão Alois Alzheimer foi surpreendido pelos sintomas comportamentais de Auguste Deter, de 51 anos. Seu paciente sofria de perda de memória de curto prazo e alucinações auditivas, e o médico se perguntou por quê. Cinco anos depois, o paciente — que se mudou para uma casa de repouso em Frankfurt — faleceu. Alzheimer guardou o histórico médico e os estudos de seu cérebro e os levou a Munique para trabalhar no laboratório de um pioneiro da psiquiatria, Emil Kraepelin.

Ao fazer a autópsia do cérebro do paciente, o médico observou as placas amiloides e o acúmulo de estruturas fibrilares interligadas nos neurônios. Ele apresentou o caso em uma reunião de psiquiatria, mas o público não prestou atenção nele. Em 1910, Kraepelin começou a falar sobre a “doença de Alzheimer”.

O Dr. Alzheimer nunca suspeitou que seu encontro com o paciente daria início a uma longa corrida internacional para descobrir as causas e desenvolver tratamentos para a demência mais comum.

Dr. Alzheimer morreu em 1915, e o mundo biomédico o reconhece não apenas por sua descrição original de uma doença, mas também por ser um pesquisador clínico. Há décadas se sabe sobre as proteínas Beta-Amiloides e proteína Tau, ambas estão ligadas ao desenvolvimento do Alzheimer, mas ainda há muitos detalhes do processo da doença para entender.

Em 1987, foi lançado o primeiro ensaio clínico sobre a doença. Desde 1998, 100 medicamentos, incluindo uma vacina, foram testados em camundongos, e alguns são indicados hoje para tratar os sintomas. Há uma corrida para encontrar mais pistas sobre a doença e tratá-la porque está previsto que até o ano de 2050 haverá 14 milhões de pessoas com a doença no mundo.

O relatório da Comissão da revista Lancet sobre demência observou que o primeiro fator de risco é a baixa escolaridade das pessoas durante a infância. Esse fator influencia 11% dos casos na América Latina. Os próximos três fatores de risco para Alzheimer são perda auditiva, hipertensão não controlada e obesidade na idade adulta.

Ao longo dos anos, 5 outros fatores de risco são adicionados: consumo de tabaco, desenvolvimento de depressão, não praticar atividade física ou ser sedentário, manter pouca atividade social com outras pessoas e ter diabetes sem tratamento.

Além dos fatores de risco, agora há mais ênfase no fato de os idosos e seus entes estarem vigilantes para um diagnóstico precoce da doença. “A doença pode ser confundida pelo esquecimento que as pessoas têm. É preciso distinguir entre o esquecimento normal e o esquecimento patológico”, comentou o especialista Dr. Ricardo Allegri em entrevista ao Infobae.

No caso de esquecimento normal, a pessoa esquece algo em um momento e se lembra logo depois. Por exemplo, o nome do ator em um filme que mais tarde vem à mente novamente.

“Por outro lado, no esquecimento patológico, a pessoa esquece toda uma situação e não lembra depois. Outro sinal precoce pode ser desorientação em um lugar familiar. Outras situações a se prestar atenção é que as pessoas começam a repetir perguntas e comentários e esquecem que já perguntaram”, disse Allegri. Nestes casos, é importante consultar um médico para fazer um exame completo.

Também pode acontecer que a pessoa com sintomas de um distúrbio cognitivo negue o problema. Por isso, há pacientes com Alzheimer que procuram a consulta porque seus familiares ou companheiros começam a reclamar porque cometem mais erros, têm ansiedade, entre outras situações.

Enquanto isso, o Dr. Juan Alberto Ollari, coordenador do Centro de Neurologia Cognitiva do British Hospital, de Buenos Aires, disse que desde o ano passado a pandemia de coronavírus acrescentou mais obstáculos tanto para a prevenção da doença de Alzheimer quanto para sua detecção precoce.

“Com o lockdown do ano passado, houve mais isolamento social das pessoas, que é um dos fatores de risco para as demências. Também era mais difícil controlar doenças como hipertensão, diabetes e obesidade. Em outras palavras, tem sido mais sedentário”, disse o Dr. Ollari.

O Dr. Ollari ainda citou que a melhor saída é seguir uma dieta mediterrânea, baseada em mais frutas e vegetais em geral com menos alimentos industrializados e processados. Fazer atividades físicas é fundamental, além de conhecer novas pessoas para aumentar a socialização.

Fonte(s): Infobae Imagens: Reprodução / Lightspring / Shutterstock

Jornal Ciência