Por que açúcar é extremamente prejudicial ao cérebro dos adolescentes?

de Julia Moretto 0

A taxa de obesidade está aumentando em todo o mundo e atingido principalmente os jovens. Não é para menos: eles são os maiores consumidores de alimentos açucarados e carregados de gordura.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O metabolismo e o crescimento durante a puberdade podem proteger os adolescentes da obesidade, no entanto, acesso a alimentos baratos e estilos de vida cada vez mais sedentários deixam essa proteção em risco. As dietas ricas em açúcar refinado e gordura saturada não só contribuem para o ganho de peso e problemas de saúde, mas também têm um impacto negativo sobre a função cerebral, danificando a área correspondente ao processo de aprendizagem e de memória. Isso é de grande preocupação, pois a adolescência é um período fundamental do desenvolvimento.  

A adolescência é também um momento de independência que inclui a escolha de seus próprios alimentos. Pesquisas recentes em roedores mostram que o cérebro adolescente tem risco de desenvolver disfunção cognitiva induzida pela dieta. Camundongos adolescentes desenvolveram problemas de memória depois de consumir dietas ricas em gordura. Os animais que beberam bebidas açucaradas foram menos capazes de se lembrar de um local específico. 

Este resultado foi comparado com um realizado em ratos adultos que beberam bebidas açucaradas e ratos adolescentes que tinham dietas de baixo teor de açúcar. Os cérebros dos ratos adolescentes que seguiam a dieta prejudicial também mostraram aumento dos níveis de inflamação no hipocampo, prejudicando função de aprendizagem e memória. Inflamação no cérebro pode contribuir para o declínio cognitivo e demência.

Os efeitos negativos da obesidade no cérebro têm sido observados em pessoas jovens. Adolescentes acima do peso tiveram um pior desempenho em matemática, ortografia e flexibilidade mental em comparação a adolescentes com peso saudável. Exames revelaram que adolescentes obesos tinham hipocampos menores. Ou seja, gordura excessiva de alguma maneira prejudica o centro de aprendizagem do cérebro.

adolescente_01

Processo em andamento

O cérebro adolescente sofre grandes mudanças de desenvolvimento em termos de estrutura e função. A adolescência é um período de aumento da neuroplasticidade devido às mudanças dramáticas na conectividade dentro de regiões cerebrais. Estudos mostram as imagens cerebrais do córtex pré-frontal não totalmente maduro até o início dos 20 anos. O córtex pré-frontal exerce funções executivas, como o controle comportamental, atenção e tomada de decisão.

A falta de regulação do córtex pré-frontal durante a adolescência pode explicar alguns comportamentos dos adolescentes, como condução perigosa, uso de drogas e consumo excessivo de álcool. O córtex pré-frontal nos ajuda a não realizar comportamentos impulsivos, mas resistir a esses comportamentos em face da recompensa imediata pode ser difícil, especialmente para os adolescentes.

Cérebros adolescentes e recompensas

O sistema de recompensa do cérebro libera a dopamina, quando estimulado por acontecimentos agradáveis, aumentando a vontade de realizar essas atividades. Adolescentes são particularmente atraídos pelas recompensas, incluindo alimentos saborosos ricos em gordura e açúcar. O sistema de recompensa do adolescente é sensível à estimulação e pode ser permanentemente alterado pela hiperatividade durante este período.

Combinada com a capacidade reduzida de resistir a comportamentos gratificantes, não é de estranhar que os adolescentes prefiram comer alimentos que podem dar gratificação instantânea. Mudanças no cérebro causadas pelo consumo excessivo de alimentos açucarados durante a adolescência podem se manifestar mais tarde, como a dificuldade de experimentar o sentimento de recompensa. 

A pesquisa mostrou que ratos machos que beberam água com açúcar durante a adolescência tiveram motivação reduzida quando eram adultos. Esses comportamentos são os principais recursos de transtornos de humor, incluindo depressão. Isso mostra que a forma como comemos durante a adolescência pode afetar a função cerebral. Quando se manifesta na vida adulta, o problema provoca mudanças de longa duração em preferência alimentar e recompensas.

Adolescentes possuem cérebros mais plásticos

O consumo excessivo de alimentos ruins durante a adolescência poderia atrapalhar os processos normais de maturação cerebral. Isto pode alterar trajetórias de desenvolvimento, levando a duradouras predisposições comportamentais – nesse caso, o hábito de consumo de alimentos gordurosos e do açúcar, que conduz à obesidade.

Felizmente, o aumento da plasticidade do cérebro adolescente significa que os jovens podem ser mais receptivos a mudanças. Identificar e intervir pode evitar círculos viciosos criados na adolescência. Isso pode incentivar hábitos saudáveis ​​ao longo da vida.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Pixabay / Flickr ]

Jornal Ciência