Tirzepatida: novo medicamento tem resultado superior ao da bariátrica e promete reduzir até 50% do peso corporal

O medicamento surgiu como grande promessa no tratamento da diabetes tipo 2, mas está ganhando notoriedade pela capacidade de ajudar na redução do peso corporal, de acordo com estudos. Médicos dizem que “os resultados são fantásticos e revolucionários”

de Redação Jornal Ciência 0

A Tirzepatida é um novo medicamento aprovado pela Food and Drugs Administration (FDA), dos EUA, usado contra o diabetes tipo 2. Ele mostrou ser mais eficiente que a cirurgia bariátrica no combate à obesidade, de acordo com estudos.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

É aclamado como tendo potencial de reduzir de 30% a 50% do peso corporal como “efeito colateral”, sendo um novo aliado farmacológico para quem enfrenta problemas com a balança e não somente diabéticos.

A Tirzepatida já está disponível nos EUA, mas no Brasil ainda está em fase de aprovação pela ANVISA. A expectativa é que o órgão brasileiro libere seu uso até o final de 2022, com a comercialização nas farmácias prevista para até o começo de 2023.

Diabetes Tipo 2

A Tirzepatida demonstrou nos estudos, segundo o Congresso Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia (CBEM), resultados animadores para quem sofre com a doença.

Os níveis de glicose no sangue foram controlados em 51% dos pacientes participantes dos estudos. Apesar de ter sido aprovado nos EUA para controle do diabetes, os efeitos colaterais surpreenderam os cientistas e será usado também no controle do peso.

O efeito colateral mais proeminente, considerado benéfico para quem luta contra a obesidade, é chamado de “revolução” pelos especialistas, algo nunca antes visto em medicamentos do tipo, com resultados superiores até mesmo aos encontrados em cirurgias bariátricas.

De acordo com o Dr. Adie Viljoen, médico especialista em metabolismo e consultador do East and North Hertfordshire NHS Trust, do Reino Unido, os resultados são, de fato, impressionantes:

“A velocidade que estamos vendo na redução da glicose e na perda de peso está muito além de qualquer outra coisa que temos disponível no momento”, salientou à imprensa.

Mas, o Dr. Viljoen salientou que, para uma vida saudável, é importante associar alimentação adequada e atividades físicas com quaisquer medicamentos voltados para controle da diabetes ou do emagrecimento.

“Essa medicação, mostrou resultados superiores a cirurgia bariátrica. Nós, que trabalhamos com emagrecimento, podemos comentar que estamos na década do fim da cirurgia bariátrica, pois apenas com uma medicação conseguimos entregar resultados superiores a realização do procedimento operatório”, disse o Dr. Ronan Araujo, médico nutrólogo e membro da ABESO —Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica.

“Os resultados são fantásticos e revolucionários”, salienta o Dr. Ronan Araujo em declaração à imprensa.

Mecanismo de ação

A Tirzepatida atua de forma a imitar 2 hormônios intestinais, chamados GLP-1 e o GIP. Quando agem em conjunto, conseguem facilitar a perda de peso através da saciedade por retardar o tempo que o sistema gástrico leva para ser esvaziado, de acordo com a médica endocrinologista Dra. Daniele Zaninelli.

Além disso, consegue modular os mecanismos centrais de saciedade e fome, ajudando a reduzir a ingestão de alimentos.

Diarreia e náuseas são esperadas como efeitos colaterais iniciais, mas são sintomas leves na maioria dos casos e desaparecem com a continuação do tratamento.

O tratamento

A Tirzepatida deve ser aplicada uma vez por semana através de injeção subcutânea. Os efeitos colaterais são considerados muito suaves comparados com outros medicamentos da mesma classe.

O tratamento deve ser feito com acompanhamento médico especializado, como por endocrinologistas e nutrólogos.

O preço pode assustar os pacientes. Apesar de não estar disponível no Brasil e não ter sido divulgado o possível preço de venda por aqui, nos EUA custa US$ 974, equivalente a mais de R$ 5.000 a caixa.

Os estudos foram publicados na revista New England Journal of Medicine.

Fonte(s): MedScape / Saúde Em Dia / Endrocrinologia Curitiba / PEBMED Imagem de Capa: Medical News Today Imagens: Reprodução

Jornal Ciência