Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Estudo revela danos no cérebro de usuários de maconha menores de 17 anos

de Julia Moretto 0

A maconha é muito mais prejudicial para os cérebros adolescentes do que pensávamos, afirma um novo estudo.

 

De acordo com um relatório de 2014, houve um aumento nos fumantes de cannabis nos últimos anos. Cerca de um terço dos adolescentes experimenta a droga antes dos 15 anos de idade. Mas uma nova pesquisa afirma que seria melhor para o cérebro se o experimento ocorresse com pelo menos 17 anos.

 

No estudo, conduzido pela Université de Montréal no Canadá, uma equipe analisou 294 adolescentes que completaram uma variedade de testes cognitivos em idades de 13, 14 e 20. Cerca de metade – 43% – relatou fumar maconha em algum ponto ao longo do teste. De acordo com a maioria, o uso era feito apenas algumas vezes por ano.

 

Aos 20 anos, 51% disse que ainda usava a droga. Em geral, aqueles que começaram cedo já tinham má memória de curto prazo e má memória de trabalho. Por outro lado, os primeiros usuários também tinham boas habilidades verbais e vocabulário. É preciso um monte de habilidades para um jovem adolescente conseguir drogas. Elas não são de fácil acesso”, disse a autora principal, Dr.ª Natalie Castellanos-Ryan, professora assistente da UdeM.

 

Ela e sua equipe descobriram que fumar maconha durante a adolescência estava ligada a dificuldades posteriores com habilidades verbais e cognitivas de aprendizagem por tentativa e erro. Os primeiros usuários também tendem a abandonar a escola mais cedo, o que os pesquisadores dizem que ajudou a explicar a diminuição de suas habilidades verbais.

 

Os resultados deste estudo sugerem que os efeitos do uso de cannabis na inteligência verbal são explicados não por efeitos neurotóxicos no cérebro, mas sim por um possível mecanismo social”, disse Dr.ª Castellanos-Ryan. “Adolescentes que usam cannabis são menos propensos a frequentar a escola e pós-graduação, o que pode ter um impacto sobre as oportunidades para desenvolver a inteligência verbal”. 

 

Além de preencherem questionários sobre o uso de drogas e álcool no ano anterior, os voluntários participaram de uma série de testes para medir seu desenvolvimento cognitivo. A eles foram dados palavras e números para lembrar e repetir em várias configurações além de serem convidados a aprender novas associações entre várias imagens. Os participantes também jogaram um jogo de cartas para avaliar sua resposta ao ganhar ou perder dinheiro, e, em um teste de seu vocabulário, tiveram que nomear objetos e descrever semelhanças entre palavras.

 

Em geral, aqueles que relataram fumar maconha no início da adolescência foram mal nos testes de linguagem e nos que exigiam aprendizagem por tentativa e erro. No entanto, a equipe descobriu que, se os adolescentes que não experimentavam a droga até os 17 anos tinham a mesma pontuação que os colegas que não fumavam maconha. 

 

Dr.ª Castellanos-Ryan disse que quer estudar se os resultados podem ser replicados em outras amostras de adolescentes e ver se o consumo de cannabis está associado a outros problemas, como o abuso de drogas mais tarde na vida. Segundo a especialista, a questão principal é focar em retardar o início do consumo de maconha, além de ser “realista” com as crianças.

 

Não podemos dizer às crianças: ‘Se você fumar maconha, vai danificar seu cérebro maciçamente e arruinar sua vida”, salientou. “Temos de ser realistas e dizer: ‘Estamos encontrando provas de que há alguns efeitos negativos relacionados ao uso de cannabis, especialmente se você começar cedo, assim, se você puder esperar até os 17 anos, haverá um impacto menor no seu cérebro”.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência