Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Fumar maconha diariamente pode provocar câncer de testículo, diz novo estudo

De acordo com nova análise, fumar diariamente maconha pode aumentar chance de câncer testicular

de Otto Valverde 0

Um novo estudo norte-americano apontou dados preocupantes sobre a ligação entre fumar diariamente maconha com o desenvolvimento de câncer no testículo.

Os dados mostraram que usuários diários possuem risco 36% maior do que homens que usam maconha esporadicamente.

Na prática, interpretando os dados, isso não significa que 1 a cada 3 homens terão câncer de testículo, mas significa que o risco de ocorrer aumenta em 1/3.

A pesquisa foi publicada na prestigiada revista científica JAMA Network Open e contou com a participação de cientistas do Instituto de Pesquisa e Educação do Norte da Califórnia, da Universidade da Califórnia e da Universidade Brown, além de colaboração do Memorial Sloan Kettering Cancer Center.

Os cientistas revisaram cerca de 25 estudos sobre o assunto, fazendo uma análise profunda em resultados anteriores, correlacionando mais de 50 anos de pesquisas e conhecimentos acumulados sobre o assunto.

Controvérsia

Os dados apresentados, tomando como base estudos diferentes em épocas distintas, pode levar a conclusões confusas, ou que necessitem de mais atenção científica para chegar a conclusões definitivas.

Desta forma, não há como afirmar que existe uma relação causal, ou seja, é impossível dizer que fumar maconha provocará câncer de testículo, mas as chances de ocorrer aumentam, e mais estudos precisam ser feitos para encontrar ligações fortes entre a droga e o câncer.

Maconha X Ciência

De uma forma geral, os estudos mostrando que a maconha afeta a saúde são bastante controversos e, muitas vezes, difíceis de serem relacionados diretamente.

Especialistas concordam que, como este estudo não relacionou o uso da maconha com o aparecimento de outros tipos de câncer, apenas ao tipo testicular, torna-se muito obscuro “bater o martelo” e afirmar categoricamente a relação.

Mas, como disse uma das pesquisadoras, Deborah Korenstein, isso não significa que a droga é completamente livre de riscos:


“Eu não gostaria que as pessoas interpretassem isso como um significado de que o uso da maconha é completamente seguro”, em entrevista à Inverse.


Ela comentou ainda que mais estudos precisam ser feitos para entender melhor os efeitos da Cannabis sativa no organismo humano.

“O fato é que não sabemos muito sobre o impacto do uso pesado e contínuo da maconha, o uso em idade muito jovem ou sobre o uso por pessoas que usam a droga por outras vias que não o fumo”, concluiu.

Fonte: Futurism / Inverse Foto de Capa: Futurism

Jornal Ciência