Pela primeira vez, cientistas registram aranha comendo lagostim

de Merelyn Cerqueira 0

Apesar de serem considerados os maiores artrópodes de água doce da América do Norte, nem os lagostins não estão a salvo das aranhas predadoras que habitam as margens dos rios. Pela primeira vez, uma aranha, da espécie Dolomedes tenebrosus, foi vista devorando o crustáceo, após amarrá-lo ao lado de uma pedra utilizando seus fios de seda, de acordo com informações da IFL Science.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A cena foi observada em Knox Creek, Virgínia, EUA, por uma equipe de cientistas que realizava um estudo sobre a população de lagostins em via de extinção, em julho de 2015. A descrição foi publicada na revista Southeastern Naturalist, onde os pesquisadores revelaram como tropeçaram no evento de predação após derrubarem uma rocha.

A espécie em questão pode se alimentar de peixes e outras criaturas aquáticas e utilizam suas longas pernas para detectar alterações de tensão na superfície da água antes de realizar um ataque rápido na presa. Assim, ao atacar o peixe, normalmente agarrando-o pela parte de trás da cabeça, ela o evolve com as patas e lhe aplica uma picada venenosa.

Embora os autores não tenham testemunhado a captura do crustáceo, eles suspeitam que ela tenha usado uma estratégia similar. No momento em que a encontraram, a aranha, que era uma fêmea, já tinha devorado a cabeça e parte do abdômen da presa. Além disso, apesar de não ter sido perturbada pelos pesquisadores, ela sequer mostrou inclinação para fugir, e continuou a apertar sua vítima por cerca de 10 minutos.

Os pesquisadores observaram que esta foi a primeira vez que tal espécie de aranha foi vista comendo um lagostim. “Os lagostins são os maiores artrópodes de água doce da América do Norte; e agora foi confirmado que eles estão incluídos como presas para as aranhas araneomorfas”, escreveram.

[ IFL Science ] [ Foto: Reprodução / IFL Science ]

Jornal Ciência